Anistia critica pena de morte como combate ao terrorismo | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 10.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Anistia critica pena de morte como combate ao terrorismo

Anistia Internacional denuncia prática em ao menos 20 países, incluindo Arábia Saudita e Estados Unidos. A pena capital "simplesmente impulsiona o ciclo de violência", afirma ONG.

Em relatório divulgado por ocasião do Dia Mundial contra a Pena de Morte, celebrado nesta segunda-feira (10/10), a Anistia Internacional (AI) afirmou que uma série de países vem recorrendo à pena capital numa "tentativa falha" de combater o terrorismo.

Segundo o balanço da organização, ao menos 20 países sentenciaram pessoas à morte ou levaram a cabo execuções por crimes relacionados ao terrorismo no ano passado: Arábia Saudita, Argélia, Bahrein, Camarões, Chade, China, Egito, Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos, Índia, Irã, Iraque, Jordânia, Kuwait, Líbano, Paquistão, República Democrática do Congo, Somália, Sudão e Tunísia. 

Apesar de uso da pena de morte para tais crimes ser, muitas vezes, feita em segredo, a Anistia documentou "um aumento notável na sua utilização" nos últimos anos, classificado como um "erro fundamental" por parte das autoridades.

"Não há nenhuma evidência de que a pena de morte dissuade o crime violento de forma mais eficaz que outras punições", frisou James Lynch, vice-diretor do Programa de Questões Globais da Anistia Internacional.

Para Lynch, matar com o aval e a mando do Estado não ajuda a combater as causas de ataque terroristas contra a população. "Em vez disso, simplesmente se agrava a injustiça e o sofrimento e se impulsiona o ciclo de violência, sem trazer justiça para as vítimas."

A pena de morte, sublinha a Anistia, "é sempre uma violação dos direitos humanos". "A Anistia Internacional se opõe à pena de morte em todas as circunstâncias [...] É uma punição cruel, desumana e degradante, uma negação do direito humano à vida à qual governos frequentemente recorrem em tempo de crise nacional, para demonstrar sua 'força' ao lidar com ameaças", diz o relatório.

Mais de dois terços dos países do mundo (103) já aboliram a pena capital, na lei ou na prática.

LPF/lusa/ots

Leia mais