Analistas criticam processo eleitoral na Rússia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.03.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Analistas criticam processo eleitoral na Rússia

Analistas do Conselho da Europa apontam irregularidades que levaram à vitória de Medvedev na Rússia. Governos europeus cumprimentam novo presidente, mas criticam forma como o pleito foi conduzido.

default

Medvedev, o sucessor de Putin, após vitória nas urnas

Na opinião de Andreas Gross, coordenador do grupo de analistas do Conselho da Europa enviados à Rússia, o pleito que elegeu no país o candidato Dimitri Medvedev não "esgotou o potencial democrático dos eleitores". Com mais de 70% dos votos, Medvedev, visto como favorito antes das eleições e candidato do Kremlin, eliminou qualquer chance de vitória de seus opositores.

Para os analistas do Conselho da Europa, o pleito apresentou as mesmas deficiências que as eleições parlamentares ocorridas em dezembro último no país. Uma das razões do desequilíbrio entre as chances dos candidatos é o acesso à mídia, concedido muito mais a Medvedev que a seus adversários, acreditam os observadores estrangeiros.

Referendo e não eleição

Russland Wahlen Matroschka Dmitri Medwedew und Wladimir Putin

Medvedev e Putin: duas faces de uma mesma moeda?

Segundo Gross, não se pode negar, porém, que os resultados da eleição correspondem à vontade popular. No entanto, observa ele, trata-se mais de um referendo do que de uma eleição. A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) se negou a enviar, em sinal de protesto, observadores à Rússia por ocasião das eleições.

Críticas

Na Alemanha, o vice-ministro das Relações Exteriores, Gernot Erler, afirmou à emissora Deutschlandfunk ver na escolha de Medvedev uma "chance para a Europa", uma vez que o candidato se propõe a "modernizar a sociedade e a economia" do país.

Já o presidente da Comissão de Exterior do Parlamento alemão, Ruprecht Polenz, afirmou à emissora Deutschlandradio que a eleição russa tem pouco a ver com democracia. Polenz lembra que o próprio Medvedev defendeu, durante a campanha eleitoral, a liberdade de imprensa, uma Justiça independente, além de liberdade e respeito à sociedade civil. Segundo o político, é preciso observar se o candidato vai realmente cumprir o que prometeu.

Polenz alertou ainda para o fato de que o alto índice de comparecimento às urnas não deve ser interpretado como um apoio da população a Medvedev, uma vez que houve muita pressão e promessas de recompensa durante a campanha. "Dizer que a eleição foi democrática significaria ofender todos os democratas", concluiu o político.

Irregularidades

Angela Merkel und Wladimir Putin

Putin e Merkel: encontro a três dentro em breve

A chanceler federal Angela Merkel enviou os cumprimentos oficiais ao candidato eleito, sem, no entanto, lembrar as irregularidades do pleito, afirmou Thomas Steg, porta-voz do governo.

"Sem dúvida alguma, houve, durante a campanha eleitoral, situações nas quais ficou claro que as regras democráticas não foram sempre respeitadas", afirmou Steg em Berlim. Segundo ele, Merkel pretende reunir-se com Vladimir Putin e Medvedev "o mais breve possível".

Apesar das recentes desavenças entre Londres e Moscou, o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, enviou também seus cumprimentos a Medvedev, lembrando, porém, que irá formar sua opinião sobre a nova administração do país através dos atos do futuro governante.

Novas palavras

Frankreich Neues Kabinett Bernard Kouchner

Bernard Kouchner, ministro francês do Exterior

Já o governo francês foi menos diplomático. O ministro das Relações Exteriores, Bernard Kouchner, declarou após a vitória de Medvedev que o resultado do pleito "já era conhecido previamente" e lembrou as irregularidades que pairaram sobre o processo eleitoral no país. "A eleição foi conduzida ao estilo russo, com uma vitória garantida com antecedência", disse Kouchner a uma emissora de rádio na França.

O ministro francês salientou ainda que a União Européia terá que encontrar "novas palavras" para se comunicar com Moscou sob o governo de Medvedev e apontou a questão energética como um ponto primordial nas relações entre o bloco de países e a Rússia.

Leia mais