Ambientalistas criticam Chanel por derrubar árvores | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 07.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Cultura

Ambientalistas criticam Chanel por derrubar árvores

Marca recria floresta para desfile de Karl Lagerfeld em Paris. Gigante da moda rejeita acusação de que carvalhos derrubados eram centenários e promete plantar uma centena de novas árvores.

Lagerfeld cria floresta para desfile da Chanel

O cenário de Lagerfeld para a coleção outono-inverno

Karl Lagerfeld é conhecido por seus desfiles espetaculares para a Chanel. O estilista alemão já recriou nas passarelas um terminal de aeroporto, um supermercado, um templo grego e até uma plataforma de lançamento de foguetes espaciais. Desta vez, o desfile da coleção outono-inverno de 2018 da marca causou polêmica e a revolta de ativistas ambientais.

Após montar uma floresta no Grand Palais, em Paris, onde a Chanel apresentou sua coleção nesta terça-feira (06/03), Lagerfeld foi acusado pela organização ambiental France Nature Environnement de ter derrubado árvores centenárias para seu cenário.

As toneladas de folhas que cobriam o chão e os nove carvalhos cobertos de musgos posicionados no centro do espaço refletiam o espírito da coleção que priorizou cores do outono em contraste com assessórios em neon e bordados de cristal.

Em comunicado, os ativistas acusaram a marca luxuosa de tentar passar uma imagem verde se distanciando completamente da realidade de proteção da natureza e afirmaram que, independentemente do que a Chanel queria mostrar, a empresa falhou no desfile. 

"Natureza não é cortar arvores numa floresta, colocá-las em pé por poucas horas para um show e depois jogá-las fora”, acrescentou o comunicado.

A Chanel negou que as árvores utilizadas para o desfile tenham vindo de uma floresta centenária no oeste da França e acrescentou que, ao comprá-las, prometeu plantar cem novos carvalhos na mesma região de onde os usados no desfile foram cortados.

Árvores também foram usadas pela Chanel nas fileiras de assentos para celebridades e clientes que participaram do desfile. No evento, estiverem presentes a atriz Keira Knightley, a cantora Lily Allen e a ex-primeira-dama da França Carla Bruni Sarkozy.

Desfile da Chanel em Paris

Ambientalistas afirmam que empresa derrubou carvalhos centenários para desfile

Apesar da revolta dos ativistas, o desfile foi bastante elogiado por jornalistas de moda. A revista Harper's Bazaar chegou a afirmar que o desfile foi o melhor já idealizado por Lagerfeld.

Marca polêmica

Essa não é a primeira vez que a tradicional marca francesa é alvo de críticas. Em 2013, Lagerfeld foi acusado de apropriação cultural ao apresentar trajes e símbolos típicos de indígenas americanos em sua coleção Paris-Dallas. No ano passado, a Chanel foi criticada por lançar uma coleção feita de PVC num momento em que a poluição por plástico causa preocupação. 

Criada em 1910 por Gabrielle "Coco" Chanel, a marca definiu a moda nos anos 1920 e 1930. Devido à ligação de Chanel com os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial e à falta de inovação nos seus modelos, a influência da empresa diminuiu após o fim da guerra.

Na década de 1970, a marca foi comprada pelos empresários franceses Alain e Gérard Wertheimers, que em 1983 contrataram Lagerfeld para revitalizar o nome da empresa. Chefiada pelo estilista alemão, a Chanel se tornou uma das marcas mais importantes no mundo da moda.

CN/afp/ap

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais