Alemanha tem maior número de nascimentos para março desde 1998 | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 22.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Alemanha tem maior número de nascimentos para março desde 1998

Recorde para o mês em mais de duas décadas foi registrado cerca de nove meses após fim do primeiro lockdown no país. Outros países europeus também tiveram alta similar no mesmo período do ano.

Quatro bebês deitados numa cama

Alguns países europeus registraram um pequeno "baby boom"

Em março passado, a Alemanha registrou o maior número de nascimentos em mais de 20 anos, quando vieram ao mundo quase 66 mil bebês, segundo dados do Escritório Federal de Estatísticas da Alemanha (Destatis). Esse patamar foi alcançado pela última vez em 1998. Em março de 2020, a quantidade de nascimentos tinha sido cerca de 10% menor.

Este pequeno baby boom não foi observado apenas na Alemanha. A taxa de natalidade na maioria dos países europeus foi em março passado maior do que o normal. Os dados de todos os países europeus ainda não estão disponíveis, mas na Romênia, por exemplo, de acordo com o Destatis, a taxa de natalidade aumentou 15%; na Estônia e Lituânia, 13%, enquanto na Holanda, Finlândia e Hungria houve alta de 10%.

Países europeus mais afetados pela pandemia, como Espanha, França ou Bélgica, não registraram um aumento tão significativo de natalidade, mas neles houve pelo menos uma estabilização nas taxas de nascimentos, que vinham em forte queda.

Busca pelos motivos

Do ponto de vista científico, só é possível especular sobre o que levou a esse pequeno baby boom: se forem contados os nove meses de uma gravidez, a data coincide com as medidas de relaxamento após a primeira onda de coronavírus na Alemanha. Em maio de 2020, o pior parecia ter passado, o número de novos casos estava diminuindo no país, e o verão estava chegando no Hemisfério Norte.

Do ponto de vista estatístico, o aumento pode ser relacionado ao achatamento da primeira onda da pandemia de coronavírus na Alemanha e à flexibilização das restrições a partir do início de maio de 2020.

Entretanto, os motivos reais do baby boom ainda precisam ser investigados. Se por um lado o relaxamento das restrições facilitou os encontros, por outro lado, o lockdown ofereceu a muitos casais que queriam ter filhos mais tempo para ficarem juntos.

Pessoas se abraçam portando máscara

Alta de nascimentos pode ter conexão com o fim das restrições após primeira onda na Europa

Cai desejo por filhos durante crise

Em tempos de crise, geralmente a taxa de natalidade cai, e assim foi na crise de coronavírus. Entre as razões apontadas, estão principalmente inseguranças econômicas e sociais ou, em geral, temores sobre o futuro. Possivelmente, casais em necessidade financeira decidem colocar de lado seu desejo de ter filhos temporariamente ou a longo prazo. Isso ficou evidente nos EUA, por exemplo, onde a taxa de natalidade vem caindo desde a crise financeira de 2007.

A crise da coronavírus trouxe desafios adicionais que também podem ter sido responsáveis ​​por um declínio ou estagnação na taxa de natalidade, como o medo de adoecer, o estresse do lockdown ou a falta de opções de creches.

Efeito semelhante em nove meses?

E agora? Novamente, pelo menos em algumas partes do mundo, como na Europa, o pior parece ter passado, os valores de incidência estão caindo significativamente, a taxa de vacinação está aumentando significativamente, as restrições mais estritas podem ser suspensas.

Após a fase de bloqueio sem fim, com regulamentos cada vez mais rígidos, a alegria e a confiança voltam com o verão no Hemisfério Norte.

Não apenas estatisticamente pode ser interessante observar se isso também se refletirá em outro aumento significativo na taxa de natalidade no primeiro semestre de 2022.

Leia mais