Alemanha registra maior número de nascimentos em 15 anos | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 30.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha registra maior número de nascimentos em 15 anos

Cerca de 738 mil crianças nasceram no país em 2015, segundo o Departamento Federal de Estatísticas. Mortes também cresceram, atingindo o maior número em trinta anos.

O número de crianças nascidas na Alemanha em 2015 atingiu a cifra mais alta em 15 anos, informou o Departamento Federal de Estatísticas da Alemanha (Destatis) nesta quinta-feira (30/06). Cerca de 738 mil crianças nasceram no país no ano passado, o que representa um aumento de 3,2% ante o ano anterior.

Essa tendência progressiva vem sendo observada nos últimos cinco anos, e é encarada como um sinal de esperança num país que lida com uma população composta cada vez mais por idosos.

Economistas chegaram a alertar para uma significativa escassez de trabalhadores qualificados nas próximas duas décadas por conta do declínio demográfico.

A última vez que o país registrou um número tão alto de nascimentos foi em 2000, com um total de 767 mil bebês. Em 2014, a Alemanha viu nascer 715 mil crianças.

O número de mortes em 2015 também foi elevado: 925 mil pessoas morreram no país no ano passado, uma cifra 6,5% maior que em 2014 e a mais alta dos últimos trinta anos.

Em 2015, a diferença entre o número de mortes e nascimentos foi de 188 mil, ante 153 mil no ano anterior. Segundo o Destatis, há mais mortes do que nascimentos na Alemanha desde 1972.

Além disso, a Alemanha possui a segunda mais baixa taxa de natalidade do mundo, abaixo apenas do Japão, que ultrapassou o país europeu no início do mês. A média é de 8,6 crianças nascidas por mil habitantes na Alemanha, e de 8 crianças no Japão, segundo um instituto de Hamburgo.

A população alemã também continua a crescer – chegando a um total de 81,9 milhões de pessoas –, muito por conta da crise migratória. O país recebeu 1,1 milhão de refugiados em 2015.

EK/dpa/efe

Leia mais