Alemanha quer endurecer lei sobre violência sexual | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 28.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha quer endurecer lei sobre violência sexual

Proposta do governo considera estupro atos sexuais em situações intimidatórias ou quando a vítima teme violência em caso de resistência. Deputadas afirmam que mudanças não bastam e defendem princípio "não significa não".

O ministro alemão da Justiça, Heiko Maas, apresentou ao Bundestag (Parlamento alemão), em Berlim, nesta quinta-feira (28/04) uma proposta para reformar a legislação sobre crimes sexuais. O projeto, porém, foi criticado por parlamentares de todos os partidos, que argumentam que as reformas são insuficientes.

Segundo Maas, a legislação atual tem muitas lacunas que necessitam ser preenchidas. Assim, a reforma define como estupro casos em que o agressor se aproveita do fator surpresa ou de situações intimidatórias, nas quais a vítima sente medo, é incapaz de se defender ou se sente desprotegida.

Pela proposta, também serão considerados estupro casos em que, mesmo não havendo violência física, o agressor colocar a vítima sob forte pressão com ameaças ou casos em que a vítima pode temer violência se resistir. "Precisamos fazer tudo para proteger, especialmente mulheres, de agressões sexuais", afirmou Maas, acrescentando que é inaceitável a existência de lacunas na legislação sobre violência sexual.

A proposta foi criticada e considerada insuficiente por parlamentares de todos os partidos. Segundo a deputada Eva Högl, do Partido Social-Democrata (SPD), o esboço apresentado por seu colega de legenda está no caminho certo, mas a reforma pretendida deve seguir o princípio "não significa não".

A deputada Elisabeth Winkelmeier-Becker, da União Democrata Cristã (CDU), também defendeu mudanças. Ela disse que o parâmetro para definir um caso de estupro deve ser a vontade das pessoas envolvidas e não a sua capacidade de defesa. A deputada Halina Wawzyniak, de A Esquerda, ressaltou que a expressão "não significa não" deve ser incluída na legislação.

O debate sobre leis mais duras para crimes sexuais ganhou força na Alemanha após as agressões a mulheres na noite de Ano Novo nas imediações da estação central de trens de Colônia.

CN/dpa/afp/kna/epd

Leia mais