Alemanha lembra as vítimas da chacina de Winnenden | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 21.03.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha lembra as vítimas da chacina de Winnenden

Cerimônia em Winnenden lembra massacre ocorrido na cidade. Familiares das vítimas pedem ação do governo, a fim de reduzir a violência entre jovens.

default

Cidade em luto pelas vítimas de massacre em escola

Milhares de pessoas celebraram neste sábado (21/03) a memória das 15 vítimas da chacina ocorrida há dez dias na localidade de Winnenden, no sul da Alemanha. A cerimônia oficial, realizada na igreja católica da cidade, contou com a presença da premiê Angela Merkel, do presidente Horst Köhler e de outros líderes políticos alemães.

Nas cidades das redondezas, milhares de pessoas acompanharam a cerimônia através de telões ou pela televisão. Em toda a Alemanha, as bandeiras dos departamentos públicos foram hasteadas a meio mastro, em sinal de luto pelas vítimas do massacre. No estado de Baden-Württemberg, a cada 15 minutos soaram os sinos das igrejas.

Responsabilidade do Estado e dos pais

Köhler repudiou o permanente consumo de videogames e filmes que glorificam a violência, acrescentando que a responsabilidade disso caberia ao Estado, mas também às famílias. Numa carta aberta, familiares de diversas vítimas da chacina haviam feito um apelo aos políticos, reivindicando que se dificulte o acesso de jovens a armas e pedindo uma restrição da violência na mídia.

Trauerfeier Winnenden Sportplatz nahe der Albertville Realschule

Jovens lembram vítimas do massacre num ginásio poliesportivo nas proximidades da escola Albertville, palco da chacina

O governador de Baden-Württemberg, Günther H. Oettinger, afirmou que é preciso aprender com o ocorrido, com atitudes "que vão além deste dia, da nossa perplexidade e do nosso luto". Ele salientou ainda a necessidade de que sejam tomadas medidas preventivas, a fim de evitar episódios violentos como o ocorrido em Winnenden. (SM/SV/dpa/ap)

Leia mais