Alemanha inicia recuperação de barco de 4 mil anos | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 01.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Arqueologia

Alemanha inicia recuperação de barco de 4 mil anos

Devido à fragilidade da madeira, embarcação encontrada no Lago de Constança terá que ser erguida em partes, em processo que levará várias semanas.

Recuperação de uma canoa pré-histórica de oito metros de comprimento do Lago de Constança

A embarcação foi encontrada ao longo da fronteira entre a Alemanha e a Suíça

Escavações começaram esta semana para resgatar um barco pré-histórico com mais de 4 mil anos do Lago de Constança, no sul da Alemanha. Trata-se de uma antiga piroga de oito metros de comprimento identificada pela primeira vez na segunda metade de 2018. O desafio agora será justamente erguer a embarcação do fundo do lago, devido à fragilidade da madeira.

Acredita-se que a piroga milenar seja do período entre 2.400 a 2.300 a.C., o que a tornaria a mais antiga embarcação conhecida encontrada no lago.

"Graças a essa descoberta, o uso do lago como canal ou para transporte de pesca pode agora ser documentado pela primeira vez", disse o presidente do distrito de Stuttgart, Wolfgang Reimer. Não há, porém, nenhum outro vestígio na área associado ao barco primitivo.

Recuperação de uma canoa pré-histórica de oito metros de comprimento do Lago de Constança

O processo de trazer a canoa à superfície deverá levar semanas

Em contraste com uma canoa de carvalho descoberta há três anos na parte bávara do Lago de Constança, a piroga feita de tília não pode ser trazida inteira para a superfície. "A madeira é muito frágil e delicada para isso", disse Reimer. A recuperação, portanto, deve levar várias semanas.

Insights sobre a pré-História

Com o achado, os pesquisadores esperam obter novos insights sobre a vida nas águas durante a Idade da Pedra e o início da Idade do Bronze. "Com a canoa, podemos ter certeza: as pessoas estiveram aqui. E eles usaram o Lago de Constança como um canal e águas de pesca", disse nesta quarta-feira (31/03) a arqueóloga subaquática Julia Goldhammer à agência de notícias Dpa.

Pelos próximos anos, a relíquia, apelidada de "barco original", será agora cuidadosamente recuperada, restaurada e conservada pelo Escritório Estadual de Preservação de Monumentos.

A proa da embarcação, infelizmente, não foi preservada. No entanto, com seus 8,56 metros de comprimento e 81 centímetros de largura, a canoa ainda é "uma das embarcações pré-históricas mais preservadas de todos os tempos", disse o Ministério da Economia de Baden-Württemberg.

O barco do Lago de Constanca

O achado do Lago de Constança consiste em jangadas ocas utilizadas principalmente nos tempos pré-históricos para o transporte de mercadorias, pesca e transporte em geral. Segundo historiadores, há indícios de que as pessoas cruzavam o Lago de Constança há milhares de anos.

"Com uma canoa, é possível atravessar longas distâncias com rapidez e facilidade", disse Julia Goldhammer à dpa. "Havia muito mais floresta e pântanos, e nenhuma estrada, então a água era uma alternativa óbvia."

Recuperação de uma canoa pré-histórica de oito metros de comprimento do Lago de Constança

O Lago de Constança provou ser um tesouro de antigas embarcações bem preservadas

Goldhammer e seu colega, Heiner Schwarzberg, do Acervo Arqueológico da Bavária, acreditam que há muito mais canoas semelhantes no lago.

"É claro que deve haver mais canoas, afinal, havia dezenas de assentamentos em lagos pré-históricos”, disse Schwarzberg.

Ele acrescentou que as embarcações eventualmente existentes provavelmente estariam em boas condições, devido às condições do lago.

"Eles são preservados em lodo e sob a ausência de ar, como múmias de pântanos", disse Schwarzberg. "É por isso que o Lago Constança também é ideal para achados, porque eles não se deterioram tão rapidamente por aqui.

ip/msh (AFP, dpa, DW)
 

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados