Alemanha espera que Paquistão mantenha posição antiterrorismo | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 18.08.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha espera que Paquistão mantenha posição antiterrorismo

Governo alemão assegura apoio ao Paquistão e espera que o país continue colaborando no combate ao terrorismo mesmo com a renúncia do presidente Pervez Musharraf, que deixou o poder após nove anos.

default

Presidente Pervez Musharraf renunciou em discurso transmitido pela televisão

O governo alemão apelou às autoridades do Paquistão para que continuem colaborando no combate ao terrorismo mesmo após a renúncia do presidente Pervez Musharraf, anunciada nesta segunda-feira (18/08). "Para nós, são de fundamental importância as relações pacíficas com os países vizinhos e a postura firme no combate ao terrorismo em todas as suas formas", disse um porta-voz do Ministério alemão das Relações Exteriores.

O ministro das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, que está em visita a Estocolmo, avaliou que a renúncia de Musharraf não é uma surpresa e disse esperar que o gesto acalme a situação interna do país. "Precisamos do Paquistão como um parceiro para a estabilidade da região e se quisermos que a paz e a reconstrução do país dêem certo", afirmou. Ele disse que a Alemanha continuará apoiando a consolidação da democracia no país.

Estados Unidos

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse que Musharraf foi um aliado no combate ao terrorismo. Segundo um porta-voz, Bush espera manter a cooperação com o governo paquistanês nos aspectos econômico, político e de segurança.

Pakistan Präsident Pervez Musharraf tritt zurück Protest

Paquistaneses pisoteiam cartaz com imagem de Musharraf

Já a secretária de Estado Condoleezza Rice expressou sua "mais profunda gratidão" a Musharraf, que classificou como um amigo dos Estados Unidos e um dos mais engajados parceiros no combate ao terrorismo e ao extremismo.

Renúncia

Musharraf renunciou nesta segunda-feira, após nove anos no poder, cedendo a crescentes pressões internas. Ele sofria uma campanha de impeachment lançada na semana passada pela oposição, que o acusava de incompetência e de desrespeitar a Constituição. Após o anúncio, vários paquistaneses saíram às ruas para comemorar a saída do presidente.

Para o cientista político Christian Wagner, do Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e de Segurança (SWP), os partidos políticos democráticos do Paquistão alcançaram uma importante vitória com a renúncia de Musharraf. "Acredito que a segurança interna vai melhorar, pois o presidente foi a causa de inúmeros protestos nos últimos meses", avaliou.

Em discurso de renúncia transmitido pela televisão, Musharraf disse não temer as acusações de que é vítima, mas que prefere poupar o país de uma nova crise. "Infelizmente, certas pessoas que têm interesses pessoais lançaram falsas acusações contra mim e enganaram o povo", afirmou. Ele havia chegado ao poder em 1999 por meio de um golpe de Estado.

Leia mais