Alemanha critica injeção de dinheiro na economia americana pelo Fed | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 04.11.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Alemanha critica injeção de dinheiro na economia americana pelo Fed

Ministro alemão da Economia, Rainer Brüderle, teme desvalorização do dólar e possíveis desvantagens competitivas para os produtos alemães no mercado mundial. Para ele, o protecionismo avança em todo o mundo.

default

Câmbio deve refletir os dados fundamentais da economia, diz Brüderle

O ministro da Economia da Alemanha, Rainer Brüderle, criticou a política monetária dos Estados Unidos nesta quinta-feira (04/11). Ele disse ter dúvidas de que a injeção de dinheiro anunciada pelo Fed, o Banco Central dos EUA, vá de fato estimular o crescimento da economia norte-americana.

"Não adianta apenas colocar a água. Os cavalos também devem bebê-la", comentou o ministro sobre os 600 bilhões de dólares que o Fed vai injetar na economia dos EUA. Brüderle expressou preocupação com a medida, que pode trazer desvantagens competitivas para a Alemanha e a Europa.

"Não é sem preocupação que podemos ver o protecionismo em todo o mundo, em trajes diferentes." Na prática, a medida anunciada pelo Fed significa que os EUA vão imprimir dinheiro para comprar títulos, o que leva a uma desvalorização do dólar. Esta, por sua vez, favorece as exportações de produtos americanos, o que preocupa os europeus.

Brüderle disse que o câmbio deve refletir os dados fundamentais da economia de uma nação, e que esse não é o caso dos Estados Unidos e da China. Decisiva, apontou, é a competitividade da própria economia e, para ele, nesse sentido a Alemanha fez o dever de casa.

Na quarta-feira, o Fed anunciou que comprará títulos de longo prazo da dívida pública dos EUA. Objetivo é baixar os juros de longo prazo, evitar uma possível deflação e estimular a economia com a injeção de dinheiro novo. Os títulos serão comprados até a metade de 2011.

AS/afp/dpa/rtr
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais