Alemanha comemora balanço positivo de 20 anos de reunificação | Página especial sobre a data da queda do Muro de Berlim | DW | 22.09.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Muro de Berlim

Alemanha comemora balanço positivo de 20 anos de reunificação

Relatório anual do governo alemão sobre reunificação comemora os resultados de uma "história de sucesso". Em duas décadas, o Leste alemão conseguiu se recuperar economicamente em relação ao Oeste, diz governo em Berlim.

default

Ministro do Interior Thomas de Maizière

O governo em Berlim publica, a cada ano, um relatório que analisa o desenvolvimento da história recente da Alemanha. Este ano, o relatório sobre a reunificação faz um balanço de 20 anos da Unidade Alemã.

Durante a apresentação da edição 2010, nesta quarta-feira (22/09) em Berlim, o ministro alemão do Interior, Thomas de Maizière, foi categórico: “A reunificação foi um grande trabalho. Desde 1990, muitas coisas inacreditáveis foram alcançadas, em nível ideológico e material.”

Apesar de o país não se distinguir mais entre ocidental e oriental, o antigo parâmetro é usado como referência para comemorar os avanços obtidos. O Produto Interno Bruto (PIB) per capita nos assim chamados novos estados subiu mais de 25 pontos percentuais entre 1991 e 1996. Segundo o relatório, os números foram obtidos principalmente por meio da privatização de empresas.

Desde então, a mudança estrutural continuou e o PIB per capita do Leste subiu quase cinco pontos percentuais. A equiparação da perfomance econômica do Leste Alemão a 73% do PIB (Oeste) é chamado por Thomas de Maizière de “um pequeno milagre econômico”.

O ministro alemão pontua, no entanto, que esse desenvolvimento foi obtido também por meio do esforço de todos os alemães.

História de sucesso

O estudo divulgado em Berlim faz um balanço sobre os avanços sociais e econômicos obtidos na Alemanha reunificada. E o governo alemão avalia que, em duas décadas, os pontos positivos se sobressaíram.

O rendimento dos cidadãos do Leste Alemão destinado ao consumo, por exemplo, dobrou desde então, de 8 mil euros para 16 euros. E a taxa de desemprego diminuiu, de quase 33% no começo dos anos 1990 para 11% neste ano. Ainda assim, o número de pessoas sem trabalho no Leste é significativamente maior do que no Oeste da Alemanha – na média do país, o índice de desemprego é de 8%.

“Em termos econômicos, o Leste – apesar da crise – recuperou terreno em relação ao Oeste e fortaleceu sua competitividade global”, salientou Thomas de Maizière. Segundo o ministro, as principais realizações estão na área da infraestrutura – expansão do transporte rodoviário e ferroviário, redes de comunicação, habitações e também na equiparação do nível de vida entre as duas regiões.

Os desafios

O governo em Berlim considera o desenvolvimento demográfico do Leste Alemão como um dos grandes problemas a ser solucionado. Segundo estimativas oficiais, a população terá encolhido em 15% até 2030.

Embora a taxa de natalidade daquela região seja ligeiramente maior do que a do Oeste (1,4 filho por mulher, segundo dados de 2008), a migração interna provocou um grande impacto: desde 1991, mais de 1,1 milhão de pessoas se mudaram do Leste para o Oeste alemão, principalmente homens e mulheres jovens.

Solidariedade financeira

Muitos do progressos da reunificação se deveram à transferência de dinheiro do Oeste para o Leste, através do chamado Pacto de Solidariedade. Segundo o Pacto, todos os trabalhadores da Alemanha contribuem diretamente de sua folha de pagamento.

O Pacto de Solidariedade 1 vigorou entre 1995 e 2004 e possibilitou que os novos estados do Leste Alemão recebessem uma injeção de 105 bilhões de euros. A segunda versão do Pacto deve levantar, até 2019, outros 105 bilhões. Além disso, o governo alemão se comprometeu a investir outros 51 bilhões no estados do Leste Alemão.

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais