Alemanha busca tricampeonato aliando experiência a juventude | Fique informado sobre tudo o que acontece na Copa do Mundo | DW | 12.06.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Alemanha busca tricampeonato aliando experiência a juventude

Seleção alemã está entre as favoritas ao título da Copa do Mundo feminina de 2011, que será disputada no país. Técnica Silvia Neid aposta numa equipe que alia a experiência de Prinz e Grings ao talento da nova geração.

default

Birgit Prinz (e), três vezes melhor do mundo e estrela da equipe

We are the champions. Foi com esse hino que as jogadoras da seleção alemã festejaram a vitória na Copa do Mundo em 1° de outubro de 2007, da sacada do Römer, sede da prefeitura de Frankfurt, diante de milhares de fãs. O clássico do Queen poderá soar novamente neste Mundial disputado em casa, caso a esperança de disputar a final em Frankfurt, no dia 17 de julho, se confirme. "Eu espero que tenhamos sucesso e alegremos as pessoas, que seja divertido e tomara que sejamos campeãs", declarou a melhor goleira de 2007, Nadine Angerer.

A equipe alemã está entre as favoritas para conquistar o título, ao lado do Brasil e dos Estados Unidos. Para Angerer, isso não é problema: "Depois de ser campeã do mundo duas vezes, é natural estar entre os favoritos. E nós também trabalhamos para isso." A jogadora de 32 anos do 1° FFC Frankfurt faz parte do grupo fixo de convocadas da treinadora Silvia Neid.

"Temos uma boa mistura de jogadoras bem experientes e jovens, que também já têm bastante experiência", ressaltou Neid. A equipe tem uma média de idade de 26 anos, o que a treinadora considera bom. Com 47 anos, Neid participou de todos os sete títulos europeus e dos dois triunfos mundiais da Alemanha, seja como jogadora, seja como auxiliar técnica ou treinadora.

Se o time de Neid vencer a Copa do Mundo pela terceira vez consecutiva, a seleção da Alemanha ocupará sozinha o posto de recordista em número de títulos. Até o momento, as alemãs dividem essa honra com os Estados Unidos.

Nunca sem maquiagem

Também a jogadora Ariane Hingst tem grande experiência com a seleção. A meio-campista do 1° FFC Frankfurt participou da conquista dos dois títulos mundiais da Alemanha. A jogadora de 31 anos destaca a presença das mais jovens. "É sempre bom ver a chegada de novas gerações com diferentes personalidades. Aí reside a beleza do esporte coletivo", diz Hingst, que encerrará sua carreira com a camisa alemã após o Mundial.

Fatmire Bajramaj

Aos 23, Bajramaj é estrela do futebol e da publicidade

Fatmire Bajramaj, do campeão alemão Turbine Potsdam, faz parte da nova geração. A garota de 23 anos é um dos rostos mais conhecidos do futebol alemão e já é uma estrela da publicidade. A atacante, que se mudará para Frankfurt na nova temporada, foi candidata à melhor jogadora do mundo em 2010.

Assim como a atacante de 21 anos Alexandra Popp, do FCR Duisburg, "Lira" Bajramaj não vê problemas numa preparação especial antes de cada partida. "Muitas jogadoras jovens maquiam-se antes de cada jogo, nunca entram em campo de cara lavada, o que geralmente não acontece entre as jogadoras mais velhas", diz Popp. "Eu me sinto bem assim."

Mas é claro que a aparência não contou para a definição do grupo. Segundo a gerente da equipe, Doris Fitschen, foram cruciais a habilidade na disputa corpo a corpo, a capacidade de fazer gols e também a flexibilidade, "que é extremamente importante numa Copa do Mundo”. Também importantes são um bom condicionamento físico e velocidade, como no caso de Simone Laudehr, do FCR Duisburg.

Os furacões Prinz e Grings

O destaque do grupo alemão é a atacante Birgit Prinz, recordista de jogos pela seleção. Aos 33 anos, ela é a mais velha da equipe. Eleita três vezes melhor jogadora do mundo pela Fifa, Prinz quer coroar e encerrar sua carreira internacional com a conquista do título mundial na final disputada em sua cidade natal, Frankfurt.

Para chegar lá serão necessárias também as habilidades da sua colega de ataque, Inka Grings. A jogadora de 32 anos do FCR Duisburg é a mais bem-sucedida artilheira da Alemanha. "Eu pareço ter herdado o talento de estar sempre na hora certa no lugar certo e tenho esse conhecido faro para gols", diz Grings, que já marcou mais de 400 gols na Bundesliga e com a camisa da seleção.

Silvia Neid, Trainerin der deutschen Frauenfußball-Nationalmannschaft, und Spielerin Birgit Prinz

A treinadora Silvia Neid e a experiente Birgit Prinz

Por estar em casa e pela grande expectativa, a seleção alemã está sob enorme pressão. Mesmo assim, a jogadora de 21 anos Kim Kulig, do Hamburgo, demonstra confiança. "Somos o time nacional da Alemanha. Estamos sempre sob pressão. Todos esperam que ganhemos. Mas sabemos lidar com isso."

Para o ex-jogador e ex-comentarista esportivo Günter Netzer, as alemãs têm boas chances. "Elas entrarão no Mundial com a seriedade necessária e espírito de combate", comenta. "Jogar futebol elas sabem." Em todo caso, a sacada do Römer, em Frankfurt, já está reservada para a comemoração ao som de We are the champions.

A seleção alemã:

Gol: Nadine Angerer (1° FFC Frankfurt), Ursula Holl (FCR Duisburg), Almuth Schult (Magdeburger FFC)

Defesa: Saskia Bartusiak (1° FFC Frankfurt), Babett Peter (Turbine Potsdam), Annike Krahn (FCR Duisburg), Linda Bresonik (FCR Duisburg), Bianca Schmidt (Turbine Potsdam), Lena Goeßling (SC Bad Neuenahr), Verena Faißt (VfL Wolfsburg)

Meio-campo: Simone Laudehr (FCR Duisburg), Melanie Behringer (1° FFC Frankfurt), Celia Okoyino da Mbabi (SC Bad Neuenahr), Kim Kulig (Hamburger SV), Ariane Hingst (1° FFC Frankfurt), Kerstin Garefrekes (1° FFC Frankfurt), Fatmire Bajramaj (Turbine Potsdam)

Ataque: Inka Grings (FCR Duisburg), Birgit Prinz (1° FFC Frankfurt), Martina Müller (VfL Wolfsburg), Alexandra Popp (FCR Duisburg)

Autor: Arnulf Boettcher (lf)
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais