Alemanha bane grupo de extrema direita ligado aos ″cidadãos do Reich″ | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 20.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Alemanha bane grupo de extrema direita ligado aos "cidadãos do Reich"

Operações policiais em dez estados miram braço do movimento Reichsbürger, que rejeita a legitimidade da atual República e de suas leis. "Racismo e antissemitismo não terão espaço na sociedade alemã", diz ministro.

Policiais em operação em Berlim

Policiais cumprem mandados de busca e apreensão contra grupo neonazista em Berlim

Pela primeira vez, o ministro do Interior da Alemanha, Horst Seehofer, baniu grupos ligados ao movimento de extrema direita Reichsbürger (cidadãos do Reich), que rejeita a existência e legitimidade da atual República Federal da Alemanha e de suas leis.

O porta-voz da pasta, Steve Alter, informou nesta quinta-feira (19/03) que operações policiais foram realizadas contra o grupo Geeinte deutsche Völker und Stämme (Povos e tribos alemães unidos) e sua sub-organização Osnabrück Landmark, braços dos Reichsbürger.

As operações contaram com 400 agentes e ocorreram em dez estados alemães, com buscas nas residências de 21 membros dessas associações. Segundo o Ministério do Interior, os policiais apreenderam armas de fogo, tacos de beisebol, materiais de propaganda e pequenas quantidades de drogas. Os dois grupos foram dissolvidos e estão banidos, informou o porta-voz Alter.

"Continuamos a luta contra o extremismo de direita implacavelmente, mesmo em tempos de crise", afirmou Seehofer após as operações. Segundo o ministro, racismo e antissemitismo não terão "um único milímetro" de espaço na sociedade alemã.

Reichsbürger exibe seu passaporte – sem validade para o resto da Alemanha

Reichsbürger exibe seu passaporte – sem validade para o resto da Alemanha

"Estamos diante de um grupo que espalha mensagens racistas e antissemitas, envenenando sistematicamente nossa sociedade liberal. Também a agressão verbal e as inúmeras ameaças contra autoridades do governo e suas famílias são prova da atitude inconstitucional desse grupo."

Agora dissolvido, o grupo "Povos e tribos alemães unidos" contava com cerca de 120 apoiadores e era comandado a partir de Berlim. Além da capital alemã, as operações policiais desta quinta-feira ocorreram nos estados de Baden-Württemberg, Baviera, Brandemburgo, Baixa Saxônia, Renânia do Norte-Vestfália, Renânia-Palatinado, Schleswig-Holstein, Saxônia e Turíngia.

"Cidadãos do Reich"

Os Reichsbürger não são claramente definidos, já que não existe um movimento propriamente dito nem uma ideologia unificada. Há diversos pequenos grupos e indivíduos isolados, em parte conflitantes, sobretudo nos estados de Brandemburgo, Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental e Baviera.

O ponto em comum é não reconhecerem a existência da República Federal da Alemanha como Estado, afirmando que o Império Alemão ainda existe (para alguns, dentro das fronteiras de 1937) e é um território ocupado pelos Aliados. Assim, rejeitam a legitimidade da Constituição, das autoridades e dos tribunais alemães, e não aceitam notificações oficiais.

Como não aceitam a existência da RFA, os Reichsbürger rejeitam também o pagamento de impostos e taxas, e criam seus próprios pequenos "territórios", com denominações como "Segundo Império Alemão", "Estado Livre da Prússia" ou "Principado Germânia".

Eles imprimem documentos fictícios, como passaportes e carteiras de motorista, além de produzir camisetas e bandeiras. Alguns imprimem até seu próprio dinheiro. As autoridades alemãs têm monitorado o movimento por atividades inconstitucionais desde 2016.

EK/afp/lusa/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter