1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Ilustração de Syukuro Manabe, Klaus Hasselmann e Giorgio Parisi, laureados do Prêmio Nobel de Física de 2021
Syukuro Manabe (e.), Klaus Hasselmann (c.) e Giorgio Parisi (d.)Foto: Niklas Elmehed/Nobel Prize Outreach
CiênciaGlobal

Alemão, japonês e italiano dividem Prêmio Nobel de Física

5 de outubro de 2021

Comitê do Nobel reconhece Syukuro Manabe e Klaus Hasselmann por modelagem do clima e previsão confiável do aquecimento global. Giorgio Parisi também recebe honraria por análise de interação de sistemas físicos.

https://www.dw.com/pt-br/alem%C3%A3o-japon%C3%AAs-e-italiano-dividem-pr%C3%AAmio-nobel-de-f%C3%ADsica/a-59408100?maca=bra-rss-br-all-1030-rdf

O Comitê do Nobel anunciou nesta terça-feira (05/10) que Syukuro Manabe, nascido no Japão, e Klaus Hasselmann, da Alemanha, receberam metade do Prêmio Nobel de Física "pela modelagem física do clima da Terra, quantificando a variabilidade e prevendo de forma confiável o aquecimento global". 
A outra metade foi concedida ao italiano Giorgio Parisi por sua descoberta "da interação de desordem e flutuações em sistemas físicos, desde a escala atômica até a planetária". 

Para o Comitê do Nobel, as descobertas são "contribuições pioneiras para a compreensão de sistemas complexos".

Manabe, de 90 anos, e Hasselmann, de 89, teriam lançado "os fundamentos para o nosso conhecimento sobre o clima terrestre e sobre como a humanidade o influencia", comunicou o painel do Comitê do Nobel. 

Desde os anos 1960, Manabe, atualmente vivendo nos Estados Unidos, demonstrou como aumentos nos níveis de dióxido de carbono na atmosfera seriam responsáveis pelo aumento da temperatura global, criando a base para os modelos climáticos atuais. 

Cerca de dez anos depois, Klaus Hasselmann, que reside em Hamburgo, criou um modelo que relaciona o tempo e o clima, ajudando a explicar por que modelos climáticos podem ser confiáveis, apesar da aparente natureza caótica do tempo. 

Ele também desenvolveu maneiras de buscar sinais específicos da influência de seres humanos sobre o clima. 

Já o italiano Parisi desenvolveu um "modelo físico e matemático profundo" que tornou possível entender sistemas complexos em áreas tão diferentes como a matemática, a biologia, a neurociência e a aprendizagem automática. 

"Precisamos agir agora"

Após o anúncio, Parisi disse durante videoconferência que "é muito urgente que se tomem decisões fortes e que se caminhe num ritmo muito acelerado" para combater os efeitos das mudanças climáticas. "Para as futuras gerações, está claro que precisamos agir agora", disse, respondendo a perguntas de jornalistas. 

Desde que o Prêmio foi criado, em 1901, 215 pesquisadores receberam a honraria, incluindo apenas quatro mulheres. O americano John Bardeen recebeu o prêmio duas vezes.

O Prêmio Nobel é entregue em Estocolmo por desejo do inventor sueco Alfred Nobel, morto em 1895. O criador da honraria também exigiu que o prêmio tivesse um montante em dinheiro além da medalha de ouro. Na cerimônia de entrega do prêmio, geralmente realizada no dia 10 de dezembro (aniversário da morte de Alfred Nobel), o vencedor recebe 10 milhões de coroas suecas, o equivalente a cerca de 1,15 milhão de dólares. 

Na segunda-feira, o Comitê do Nobel anunciou que o Prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia foi vencido pela dupla David Julius e Ardem Patapoutian por suas descobertas sobre como o corpo humano percebe temperatura e toque.

rk (AP, DPA, ots)