Alemães jamais esquecerão ajuda dos EUA na queda do Muro de Berlim, diz Merkel | Página especial sobre a data da queda do Muro de Berlim | DW | 03.11.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

9 de novembro de 1989

Alemães jamais esquecerão ajuda dos EUA na queda do Muro de Berlim, diz Merkel

Em discurso diante do Congresso norte-americano, premiê alemã agradeceu contribuição dos EUA no processo que levou à queda do Muro de Berlim há 20 anos. Hoje trata-se de "derrubar muros nas cabeças das pessoas".

default

Vinte anos após a queda do Muro de Berlim, a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, agradeceu nesta terça-feira (03/11) aos Estados Unidos a ajuda no processo da reunificação alemã, em um discurso pronunciado diante do Congresso em Washington.

"Nós, alemães, sabemos o quanto devemos a vocês, nossos amigos americanos! Jamais iremos, jamais eu pessoalmente irei esquecer isso!", afirmou Merkel em seu discurso, que foi interrompido diversas vezes por aplausos e ovações.

A chanceler federal encerrou seu discurso em inglês e assegurou que a Alemanha e a Europa continuarão sendo fortes aliadas dos Estados Unidos. "Não há um parceiro melhor para os Estados Unidos que a Europa nem um parceiro melhor para a Europa que os Estados Unidos."

"Mesmo após o fim da Guerra Fria trata-se de derrubar muros que separam concepções de vida, que são como muros nas cabeças das pessoas e repetidamente impedem ou dificultam a compreensão mútua", disse a premiê alemã.

Merkel vor dem Kongress in Washington

Foi a primeira vez em mais de 50 anos que um chefe de governo alemão foi convidado a discursar perante as duas casas do Congresso. Em 1957, o então chanceler Konrad Adenauer recebeu convite semelhante, mas discursou separadamente no Senado e depois na Casa dos Representantes.

Num discurso entremeado de experiências pessoais, relacionadas à sua vida na antiga Alemanha Oriental, a chanceler federal abordou temas históricos e atuais, incluindo as mudanças climáticas, o conflito no Oriente Médio, o Irã e o Afeganistão.

Ela recordou a ponte aérea que abasteceu Berlim Ocidental no pós-Guerra e as intervenções dos presidentes John F. Kennedy e Ronald Reagan em favor da Alemanha. Também exprimiu palavras de agradecimento ao presidente George Bush, que em maio de 1989 ofereceu apoio e liderança à Alemanha.

Merkel lembrou que o 9 de novembro próximo, que marcará o 20º aniversário da queda do Muro de Berlim, é também o aniversário da Noite dos Cristais de 1938, quando os nazistas atacaram judeus em toda a Alemanha.

Disse também ser inaceitável a existência de uma arma atômica nas mãos do presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad. "Uma bomba nuclear nas mãos de um presidente iraniano que nega a existência do Holocausto, ameaça Israel e nega seu direito de existência não é aceitável", afirmou a chanceler federal.

Antes de discursar no Capitólio, Merkel se reuniu com o presidente Barack Obama na Casa Branca, onde debateram temas da atualidade.

AS/dpa/lusa

Revisão: Rodrigo Rimon

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados