Alemães homenageiam mortos na Love Parade | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 31.07.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemães homenageiam mortos na Love Parade

Uma semana após a tragédia da Love Parade, milhares de pessoas homenageiam em Duisburg os 21 mortos durante um pânico em massa ocorrido no evento.

default

Os sinos de todas as igrejas de Duisburg soaram ao mesmo tempo e as bandeiras foram hasteadas a meio mastro em uma cidade que deu neste sábado (31/7) o último e emocionado adeus às 21 vítimas fatais da tragédia ocorrida exatamente uma semana antes, durante o festival de música techno Love Parade.

A chefe de governo Angela Merkel interrompeu suas férias para poder estar presente na cerimônia oficial de luto, celebrada na igreja Salvatorkirche de Duisburg, o principal templo luterano da cidade.

Loveparade Duisburg Trauerfeier

Lammert, Merkel, primeira-dama e presidente Wulff, e a governadora Kraft (da esq.)

Junto a ela, visivelmente emocionados, estiveram na missa ecumênica o presidente alemão, Christian Wulff, o presidente do Bundestag (Parlamento alemão), Norbert Lammert, e Hannelore Kraft, recém-eleita chefe de governo do estado da Renânia do Norte-Westfália – ao qual pertence a cidade de Duisburg – além do ministro de Relações Exteriores, Guido Westerwelle.

Para pastor, Love Parade tornou-se "baile da morte"

Na igreja, só puderam entrar cerca de 500 pessoas, unicamente parentes e amigos das vítimas, representantes da política e da sociedade alemã, agentes de segurança, serviços médicos e membros da imprensa.

Dezenas de milhares de cidadãos tiveram que acompanhar o culto a partir dos telões colocados em outras 14 igrejas da cidade, assim como no estádio de futebol do clube MSV Duisburg, onde houve uma afluência de público muito menor do que o esperado. Outros viram a cerimônia em transmissões ao vivo pelas TVs estatais alemãs e por outras cadeias privadas.

Loveparade Duisburg Trauerfeier

Homenagem às vítimas no local da tragédia

"Em uma festa em que reinava a vontade de viver, a morte nos mostrou a pior de suas faces", disse, em seu sermão, o pastor Nikolaus Schneider. O religioso afirmou também que a Love Parade se transformou em um "baile da morte". "Mas a vida que Deus nos presenteia é mais forte", completou.

No altar, havia uma vela e um livro de condolências trazidos do lugar em que aconteceu a tragédia. Outras 21 velas foram depositadas e acesas na igreja por alguns dos membros dos serviços médicos, da Cruz Vermelha e das forças de resgate que trabalharm durante a catástrofe.

Governadora fez discurso emocionado e cortejo encerrou celebrações

A cada dia que passa, o túnel em que se realizou a Love Parade se assemelha cada vez mais a um mar de cartas e velas. Para lá peregrinaram, após o culto ecumênico, milhares de pessoas em passeata, para render uma última homenagem aos mais de 500 feridos na avalanche humana e aos 21 mortos, pisoteados e asfixiados pela multidão durante uma situação de pânico.

Ao final da cerimônia religiosa de 45 minutos, a governadora Hannelore Kraft, única representante política que tomou a palavra, fez um discurso emocionado. "Garantir a segurança é nossa responsabilidade", disse ela com a voz embargada e lágrimas nos olhos.

Loveparade Duisburg Trauerfeier

Cruz no estádio do Duisburg lembra as vítimas

"Há muitas perguntas e, entretanto, temos poucas respostas", prosseguiu. A política social-democrata lamentou a morte dos jovens "que tinham todo o futuro pela frente" e prometeu se engajar pelo esclarecimento da tragédia.

O prefeito de Duisburg, Adolf Sauerland, tido como um dos responsáveis politicamente pelo incidente, não compareceu à cerimônia. O político democrata-cristão descarta renunciar ao cargo, apesar das severas críticas que vem sofrendo não só dos cidadãos e da mídia, como também de políticos de seu próprio partido.

Sauerland é acusado de ter ignorado avisos prévios de especialistas responsáveis por planejamento e segurança, de que Duisburg não teria áreas disponíveis para suportar um evento do porte da Love Parade, com mais de um milhão de participantes.

Autor: MD/dpa/rtrs

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais