Agência da UE aprova vacina da Moderna contra a covid-19 | Notícias internacionais e análises | DW | 06.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Agência da UE aprova vacina da Moderna contra a covid-19

Imunizante da empresa americana é o segundo a receber luz verde para uso condicional na União Europeia. Falta aval da Comissão Europeia, o que é considerado uma formalidade.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) deu luz verde nesta quarta-feira (06/01) para o uso condicional da vacina contra a covid-19 produzida pela empresa americana Moderna. Ainda falta a aprovação formal pela Comissão Europeia, o que é considerado uma formalidade.

A vacina da Moderna, com uma eficácia comprovada superior a 90%, é a segunda a ter aval da EMA, após a aprovação, em 21 de dezembro de 2020, do imunizante desenvolvido pelas farmacêuticas Pfizer e Biontech, que está sendo utilizado no espaço europeu desde 27 de dezembro.

"A EMA recomendou conceder uma autorização condicional de comercialização para a vacina contra covid-19 da Moderna para prevenir a doença em pessoas a partir de 18 anos de idade", diz um comunicado da agência reguladora.

A recomendação ocorre em meio a críticas devido ao início demorado da vacinação nos 27 países da UE, que está em ritmo bem mais lento do que nos Estados Unidos, Reino Unido e Israel. 

"Esta vacina nos fornece mais uma ferramenta para superar a emergência atual", disse a diretora-executiva da Moderna, Emer Cooke. "É uma prova dos esforços e do compromisso de todos os envolvidos o fato de termos esta segunda recomendação de vacina pouco menos de um ano depois que a pandemia foi declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS)."

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que a aprovação é "uma boa notícia para nossos esforços de levar mais vacinas contra a covid-19 para os europeus".

O ministro da Saúde alemão, Jens Spahn – um dos que já criticaram a lentidão da EMA –, disse esperar que a vacina da Moderna comece a ser distribuída nos países europeus na próxima semana. Segundo ele, a Alemanha deverá receber 2 milhões de doses no primeiro trimestre de 2021 e 50 milhões de doses ao longo de todo o ano.

Ao todo, a União Europeia já encomendou 160 milhões de doses do imunizante da Moderna, o suficiente para vacinar 80 milhões de pessoas nos 27 Estados do bloco, que somam uma população de 450 milhões de pessoas.

A vacina da Moderna já foi aprovada para uso nos Estados Unidos, Canadá e Israel. Os EUA deram luz verde para o uso emergencial em pessoas com mais de 18 anos em 18 de dezembro, seguidos pelo Canadá cinco dias mais tarde, com uma autorização provisória também para maiores de 18 anos. Já Israel aprovou o imunizante na segunda-feira.

Assim como a vacina da Pfizer-Biontech, aprovada na UE em 21 de dezembro, a da Moderna utiliza uma tecnologia inovadora conhecida como RNA mensageiro (mRNA). O princípio do imunizante é fazer o próprio corpo produzir a proteína do vírus, que o sistema imunológico reconhece como ameaça e combate. Para isso, os cientistas identificaram a parte do código genético viral que carrega as instruções para a fabricação dessa proteína.

Os primeiros resultados de estudos em larga escala ainda não concluídos mostram que ambas as vacinas parecem ser seguras e ter altas taxas de proteção contra o vírus. O imunizante da Moderna, por sua vez, tem a vantagem de ser mais fácil de manusear e transportar, uma vez que não precisa ser armazenado em temperaturas ultrabaixas.