Adolescente alemã que fugiu de casa é encontrada no Iraque | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 22.07.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Adolescente alemã que fugiu de casa é encontrada no Iraque

Autoridades alemãs confirmaram que Lisa W., de 16 anos, que se converteu ao islamismo e havia desaparecido no ano passado, está no Oriente Médio

A adolescente alemã Linda W., que havia desaparecido no ano passado, foi encontrada no Iraque e está recebendo assistência do consulado alemão, informou promotor de Dresden Lorenz Haase neste sábado (22/07).

No entanto, Haase não confirmou se a jovem de 16 anos fazia parte de um grupo de mulheres que lutava com o grupo jihadista Estado islâmico (EI) e foi capturado em Mossul nesta semana, quando a cidade iraquiana que era a "capital” do califado proclamado pelos terroristas foi libertada.

Irak Mädchen in Mossul verhaftet (Twitter/zahersport66)

Imagem de adolescente capturada em Mossul que foi apontada como sendo Lisa W.

"Nossas informações terminam com a chegada da garota em Istambul há cerca de um ano", disse Haase à agência de notícias Associated Press. Ele disse ainda que mais detalhes sobre a trajetória da garota depois disso fazem parte da investigação.

A menina desapareceu de sua casa na pequena cidade de Pulsnitz, nos arredores de Dresden, no ano passado, depois de ter afirmado que havia se convertido ao islamismo. Investigadores apontaram que ela estava em contato com membros do Estado Islâmico em fóruns de bate-papo online.

Casamento

De acordo com relatos da imprensa alemã, cinco cidadãs alemãs estavam entre um grupo de 20 combatentes islâmicos do sexo feminino encontrados escondidos em um túnel durante a libertação de Mossul. Além de lutar ao lado do grupo jihadista, elas também teriam se casado com membros do EI.

De acordo com a revista alemã Der Spiegel, as jovens foram levadas por forças especiais iraquianas para uma cela no aeroporto de Bagdá, onde receberam a visita de funcionários do Estado alemão.

Uma das agências de inteligência da Alemanha, Departamento Federal de Proteção à Constituição (BfV, na sigla em alemão), estima que cerca de 930 pessoas deixaram a Alemanha nos últimos anos para se juntar ao EI – cerca de 20% das quais são mulheres.

JPS/dpa

 

Leia mais