Acordo provisório permite que EUA mantenham acesso a dados bancários europeus | Notícias internacionais e análises | DW | 01.02.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Acordo provisório permite que EUA mantenham acesso a dados bancários europeus

Regra passa a valer nesta segunda-feira, mas pode durar pouco tempo. Acordo deverá ser submetido ao crivo dos parlamentares europeus em 10 de fevereiro.

default

EUA alegam usar informações bancárias para localizar atividades terroristas

Entra em vigor nesta segunda-feira (01/02) o acordo provisório que permite aos Estados Unidos manter o acesso a dados de transações bancárias internacionais feitas a partir da União Europeia.

O convênio, assinado em Bruxelas em novembro de 2009, autoriza os órgãos de segurança norte-americanos a consultar dados do consórcio Swift, Society for Worldwide Interbank Financial Telecommunication, responsável por transferências bancárias internacionais.

O acordo provisório corre o risco de ser derrubado pelo Parlamento Europeu, em votação marcada para 10 de fevereiro. O Tratado de Lisboa, em vigor desde dezembro de 2009, garante aos parlamentares o direito de vetar medidas do gênero.

Os EUA querem manter o acesso a esse tipo de informação, alegando auxílio à investigação de atividades terroristas. Esse tipo de inquirição possibilitou até agora a identificação de uma rede terrorista no Reino Unido e a prisão de quatro membros do chamado Grupo de Sauerland, da União da Jihad Islâmica, em setembro de 2007.

Acordo às pressas

Diante do risco de o acordo ser vetado pelo Parlamento, os ministros do Interior da União Europeia firmaram o documento antes de o Tratado de Lisboa passar a vigorar, em 1º de dezembro de 2009. Do ponto de vista do Parlamento, esse foi o primeiro erro.

Como a pressão pública aumentou, a presidência sueca da União Europeia prometeu aos deputados que o acerto só seria adotado com a aceitação deles.

No entanto, o Parlamento Europeu recebeu o texto oficial somente em 26 de janeiro – tarde demais para a votação até 1º de fevereiro. O motivo alegado de demora foi a impossibiliade de traduzir o acordo a tempo para todos os idiomas da UE. Esse foi o segundo erro.

Na opinião de Alexandre Álvaro, deputado do Partido Liberal Democrático (FDP), a morosidade das traduções foi uma manobra. “Não dá pra imaginar que tenham demorado tanto para fazer as traduções. Resta saber se os 27 ministros do Interior realmente firmaram a versão francesa ou inglesa do documento.”

A presidência da União Europeia, atualmente ocupada pela Espanha, não quis se pronunciar a respeito.

Jonathan Faull, diretor-geral de Justiça e Interior da Comissão Europeia, declarou que fará uma nova investigação sobre a importância do acordo e seus aspectos de proteção de dados. Ainda não se sabe se os deputados terão tempo de tempo de analisar o relatório até 10 de fevereiro.

Autor: Christoph Prössl / Nádia Pontes

Revisão: Simone Lopes

Leia mais