1909: Primeira travessia do Canal da Mancha por avião | Os acontecimentos que marcaram o dia de hoje na História | DW | 25.07.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Calendário Histórico

1909: Primeira travessia do Canal da Mancha por avião

No dia 25 de julho de 1909, o francês Louis Blériot conseguiu ser o primeiro piloto a voar os 33 quilômetros de distância entre a França e a Grã-Bretanha.

O acontecimento foi tão significativo quanto a primeira travessia aérea sem escalas do Atlântico Norte, realizada 18 anos depois por Charles Lindbergh, que voou sozinho de Nova York para Paris.

O francês Louis Blériot não chegou a voar mais do que 40 quilômetros e não atravessou um oceano, mas sim o Canal da Mancha, entre a França e a Inglaterra. Seu voo não durou 33 horas como o de Lindbergh, mas algo em torno dos 40 minutos.

Mas a travessia realizada por Blériot na madrugada do dia 25 de julho de 1909, do porto de Calais para Dover, é reverenciada por seus contemporâneos como um marco para o desenvolvimento da tecnologia aeroespacial.

Com o feito, Blériot ganhou boas somas em dinheiro do jornal londrino Daily Mirror, que havia estipulado um prêmio ao primeiro piloto que conseguisse realizar a façanha. Blériot investiu a quantia na construção de sua própria fábrica de aviões. Assim, passou de bom piloto e engenheiro a bem-sucedido fabricante de aviões.

Sua travessia foi manchete nos jornais do mundo todo. Na França, o piloto tornou-se motivo de grande orgulho. Durante uma exposição de aviões realizada em Paris, seu monomotor foi apresentado como uma glória nacional. Blériot conseguiu algo que os renomados pilotos americanos Wilbur e Orville Wright ainda não haviam realizado.

Naquela época, os irmãos Wright eram capazes de voar por mais de duas horas, percorrendo quilômetros de distância, tendo o solo como orientação. Uma travessia aérea sobre o mar era ainda um fato inédito. Por isso o feito transformou Blériot em herói nacional.

Louis Blériot (1872 – 1936) foi um excelente piloto de carros de corrida antes de ingressar no esporte aeronáutico. A invenção de uma lâmpada de acetileno como farol de carro lhe proporcionou o dinheiro necessário para o sustento de sua nova paixão.

Até chegar ao lendário Blériot XI, ele já havia construído, embora sem sucesso, outros dez aviões, e sofrido várias quedas. Quando aterrissou em Dover, na Inglaterra, e desembarcou mancando, disseram que ele havia se machucado novamente. Na verdade, era ainda uma sequela de um acidente anterior.

O Blériot XI era um monoplano de asa média de apenas um lugar, com motor Anzani refrigerado a ar de três cilindros e 25 HP. A área da asa tinha pouco mais do que 14 metros quadrados, o correspondente, hoje, ao tamanho de um estabilizador horizontal de um Airbus.

A estrutura tubular era revestida nas laterais com o mesmo tecido usado na fabricação de balões a gás, para proteger o assento e parte do motor. A hélice estava presa diretamente no motor, bem à frente. O profundor e o leme de direção foram montados na parte traseira da fuselagem, que é o padrão da engenharia aeronáutica até hoje.

O piloto francês era uma figura curiosa e por isso alvo de desenhos e caricaturas. Baixinho, tinha um nariz adunco e usava um bigode longo, que ele enrolava nas pontas. Quando voava, seu tronco ficava para fora, desprotegido dos pingos de óleo e do vento gerado pela hélice.

Outros bons pilotos e construtores também haviam se inscrito no concurso promovido pelo Daily Mirror. A imprensa publicou várias reportagens sobre os preparativos e especulava sobre quem seria o grande vencedor.

O favorito não era Blériot e sim Hubert Latham, um inglês que residia na França. O motor de seu monoplano tinha o dobro da potência usual. Entretanto, quando partiu para Dover, já na metade do percurso, o motor pifou e Latham precisou fazer uma aterissagem forçada.

Na madrugada seguinte, Blériot levantou às 2h30min, viu que o tempo estava bom e preparou seu avião para a empreitada. Às 3h35min, decolou rapidamente. O submarino torpedeiro Escopette, que por segurança acompanhava o vôo dos pilotos, partiu em seguida, com velocidade máxima de 42 quilômetros por hora.

Entretanto, o monoplano era bem mais veloz, atingindo 68 quilômetros por hora. Dez minutos após a decolagem, o avião deixou o submarino para trás. Poucos minutos depois, Blériot olhou à sua volta, procurando uma orientação. Não viu mais a costa francesa nem o submarino e tampouco enxergou a costa inglesa. Decidiu então seguir reto. Finalmente enxergou terra firme: era Dover, onde o piloto aterissou no local determinado. Ele havia conseguido a grande façanha de atravessar o Canal da Mancha.