Órgãos sintéticos em vez de testes em animais | DW Brasil | Notícias e análises do Brasil e do mundo | DW | 12.08.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

NOTÍCIAS

Órgãos sintéticos em vez de testes em animais

Órgãos em miniatura feitos de células humanas e computadores capazes de simular o comportamento cerebral: conheça as novas tecnologias que tornarão pesquisas mais rápidas e confiáveis, evitando o sofrimento dos bichos.

Testes em cobaias animais para o desenvolvimento de remédios são complexos, caros e controversos. Além disso, nem sempre os resultados observados em bichos se aplicam ao ser humano. A maioria das drogas testadas com sucesso em animais falham em estudos subsequentes em humanos em até 95%. Para mudar esse quadro, cientistas na Alemanha criam órgãos a partir de células da pele humana. Um pequeno pâncreas e fígado, por exemplo, são colocados sobre um chip. Os detalhes você confere no Futurando.

Outro procedimento que dispensa animais é a simulação em computador dos estímulos causados por medicamentos no cérebro. "Todos os detalhes são reproduzidos. São tão bons que especialistas não conseguem mais distinguir as células reais das artificiais”, explica o neurocientista Hermann Cuntz. Não deixe de conferir a reportagem completa no programa.

Esforços assim são importantes para evitar o sofrimento dos nossos parentes ancestrais, afinal, geneticamente temos muito em comum com outros seres vivos. É o caso de grandes primatas, como os chimpanzés. 98,5% dos pares de bases dos genomas deles são idênticos aos dos humanos, de acordo com a média de diferentes métodos de análise. Mas, apesar da grande semelhança genética, ainda assim são muito diferentes entre si. No Futurando, você vai saber o porquê.

E você sabia que humanos também são geneticamente similares às bananas? Frutas, homens, cachorros, porcos e lombrigas têm mais em comum do que se imagina. 

Mas algo característico do ser humano é o uso de sistemas complexos de comunicação. Durante o nosso desenvolvimento, naturalmente aprendemos um idioma. Porém, línguas estrangeiras dificilmente reproduzimos sem sotaque. Por que isso acontece? Cientistas na Alemanha realizaram testes em 24 pessoas para descobrir a resposta. O resultado é curioso e pode ajudar estudantes e professores de idiomas.

Outros animais e até plantas também se comunicam, mas de formas diferentes. Um exemplo surpreendente é a forma com que insetos são informados pelas flores se nelas há néctar ou não. Um estudo na Inglaterra tenta provar o papel da eletroestática nesta troca de informações. É no Futurando! Não perca!