Índia nega ter proibido exportação de vacina para covid-19 | Notícias internacionais e análises | DW | 05.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Índia nega ter proibido exportação de vacina para covid-19

Secretário da Saúde afirma que governo não proibiu exportações de vacinas, e fabricante do imunizante de Oxford volta atrás em declaração.

A Índia negou nesta terça-feira (05/01) que tenha proibido a exportação de vacinas para a covid-19, e também o presidente da empresa fabricante da vacina de Oxford declarou que não existe tal proibição.

"O governo não proibiu a exportação de qualquer vacina para covid-19. Isso deve ficar absolutamente claro", disse o secretário da Saúde, Rajesh Bhushan,segundo informou o jornal Hindustan Times, de Nova Déli.

Pouco antes, o presidente da empresa Serum Institute, Adar Poonawalla, afirmara que exportações de vacinas são permitidas para todos os países.

Ele contradisse assim declaração que havia dado na segunda-feira, quando afirmara que o governo indiano não iria permitir a exportação da vacina de Oxford, que na Índia é produzida pelo Instituto Serum. 

A empresa é a maior produtora de vacinas do mundo e foi contratada pela AstraZeneca para produzir 1 bilhão de doses do imunizante para países em desenvolvimento, incluindo a própria Índia.

A fala de Poonawalla acabou sendo encarada inicialmente como um revés para o plano do governo brasileiro de importar 2 milhões de doses da Índia, para apressar a vacinação no país sul-americano.

Adar Poonawalla

Adar Poonawalla agora diz que exportações de vacinas são permitidas para todos os países

A importação excepcional dessas doses havia sido anunciada no sábado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ao longo do primeiro semestre, essa vacina será produzida no Brasil a partir do insumo farmacêutico importado da empresa chinesa WuXi Biologics, parceira da AstraZeneca.

Ainda nesta terça-feira, o Itamaraty afirmou que está confirmada a importação pelo Brasil da carga de 2 milhões de doses. "Está confirmada a importação de 2 milhões de doses da vacina da AstraZeneca/Oxford produzidas na Índia, com data provável de entrega a partir de meados do corrente mês de janeiro", informou o ministério à TV Globo.

Campanha no Brasil

A vacina da Oxford e da AstraZeneca é a priorizada pelo governo brasileiro para a imunização contra a covid-19. Segundo o acordo assinado entre a Fiocruz e Oxford/AstraZeneca, as primeiras 100 milhões de doses destinadas aos brasileiros serão produzidas a partir do princípio ativo importado do parceiro da AstraZeneca na China, que então será preparado, envasado e rotulado no Brasil.

Durante o segundo semestre de 2021, a Fiocruz terá o controle total da tecnologia e passará a produzir também o princípio ativo no país. A meta é entregar 210 milhões de doses no ano que vem ao SUS. A Fiocruz afirma que pretende fazer o pedido para autorização de uso do imunizante nos próximos dias.

O Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo, também importou doses de uma vacina contra covid-19 produzida em parceria com a empresa chinesa Sinovac. O governo paulista diz que seu estoque já chega a 10,8 milhões de doses, e as autoridades paulistas preveem que a imunização no estado comece em 25 de janeiro, mas ainda não solicitaram o registro à Anvisa.

AS/BL/ap/rtr/ots

Leia mais