Áustria vai acolher no máximo 80 refugiados por dia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 17.02.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Áustria vai acolher no máximo 80 refugiados por dia

Governo austríaco vai também limitar a 3.200 o número de refugiados que podem entrar para seguir viagem até outros países. Chanceler defende que Alemanha faça o mesmo.

O governo da Áustria anunciou nesta quarta-feira (17/02) que vai aceitar, por dia, no máximo 80 requerimentos de asilo na sua fronteira sul e permitir o ingresso de até 3.200 refugiados que desejem seguir adiante para outro país, o que, na prática, significa apenas a Alemanha. A decisão vale a partir desta sexta-feira e não tem data para acabar.

"A Áustria é um dos países-membros da União Europeia mais sobrecarregados e está no limite de suas capacidades", disse a ministra do Interior, Johanna Mikl-Leitner, à agência de notícias APA, em Viena. "É uma questão de bom senso proteger as próprias fronteiras enquanto não houver uma solução europeia", afirmou. Segundo ela, trata-se de "garantir a segurança, a ordem e a qualidade de vida" na Áustria.

Logo em seguida, o governo da Eslovênia anunciou que pretende seguir o exemplo e também limitar o ingresso de refugiados no país. "Vamos ficar dentro dos limites que a Áustria estipulou", afirmou a ministra do Interior, Vesna Györkös Znidar, em Liubliana.

Desde o começo do ano, a Áustria recebeu 11 mil pedidos de asilo, ou cerca de 250 por dia. O limite de 80 vale apenas para a fronteira sul. Quem já está dentro do país pode pedir asilo sem restrições. O governo austríaco planeja receber no máximo 37.500 pedidos de asilo ao longo de 2016. No ano anterior, foram 90 mil.

O chanceler federal da Áustria, Werner Faymann, afirmou que a Alemanha deve seguir o exemplo. Em entrevista ao jornal Kurier, ele disse que a relação com a Alemanha não está estremecida, mas ressalvou que um governo deve "adotar medidas pelas quais possa assumir a responsabilidade".

Faymann disse que seu governo continua do lado da Alemanha e da Suécia na questão da redistribuição dos refugiados dentro da Europa. Se a segurança das fronteiras externas da União Europeia não puder ser garantida, ele disse defender a posição dos países do Visegrád, que exigem o fechamento da fronteira da Grécia com a Macedônia.

AS/afp/dpa

Leia mais