Áustria pede criação de registro europeu de imãs muçulmanos | Notícias internacionais e análises | DW | 02.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

Áustria pede criação de registro europeu de imãs muçulmanos

País adotou medida em nível nacional, como parte de pacote para combater o extremismo islâmico. Medidas foram adotadas após ataque terrorista em Viena.

A Áustria passou a exigir desde sexta-feira (01/01) o registro junto ao governo de todos os pregadores muçulmanos (imãs) do país. O regulamento foi incluído num pacote promovido pelo governo do chanceler Sebastian Kurz após o ataque terrorista de 2 de novembro em Viena, que deixou quatro mortos e 23 feridos.

Agora, a Áustria está pedindo que a União Europeia adote o mesmo tipo de registro para imãs que atuam no bloco.

Em uma entrevista ao jornal alemão Die Welt publicada neste sábado, a ministra austríaca para Assuntos Europeus, Karoline Edtstadler, disse que o registro dos imãs é necessário para "lutar contra o Islã político".

"A maioria dos imãs se desloca por muitos países da UE, então as autoridades de segurança precisam saber que tipo de pregação está está ocorrendo em qual mesquita a qualquer momento", disse Edtstadler, que é filiada ao conservador Partido Popular Austríaco de Kurz.

Ela também afirmou acreditar que os fundos da UE devem ser "estritamente controlados no futuro para que não haja o risco de que eles sejam canalizados para organizações e associações que defendem posições radicais islâmicas e antissemitas". A proibição de financiamento estrangeiro para mesquitas, que já vigora na Áustria, também deveria ser adotada em nível europeu, disse ela.

Para combater o terrorismo, Edstadler gostaria de ver "mais melhorias na cooperação e na troca de dados entre as autoridades de segurança dos Estados-membros [da UE]".

Os ministros do Interior da UE declararam uma nova "guerra ao terrorismo" após o ataque de Viena e atrocidades semelhantes em Paris e Nice, na França.

O registro dos Imãs, que a Comunidade Religiosa Islâmica na Áustria (IGGÖ) foi incumbida de manter, faz parte de uma série de medidas que a Áustria adotou após o ataque de Viena. A França também prevê um registro similar.

O governo austríaco também expandiu a proibição de exibição de símbolos associados a organizações extremistas, com a inclusão do nacionalista Movimento Identitário Austríaco e vários grupos islâmicos.

A lei também foi alterada para incluir um delito de "associação extremista com motivação religiosa", que prevê punições para quem ameace a "ordem constitucional democrática com motivação social e estatal baseada exclusivamente na religião de maneira ilegal".

Novos comitês também foram criados para analisar casos envolvendo a libertação condicional de condenados por terrorismo, com o objetivo de fornecer aos tribunais mais informações sobre os criminosos antes de uma decisão judicial.

Ainda foi estabelecido um registro de condenados por terrorismo foi estabelecido, com o objetivo de impor uma proibição vitalícia à compra de armas e impedir que infratores sejam empregados em áreas críticas de segurança.

O governo de Kurz ainda pretende revogar os passaportes austríacos de terroristas condenados se eles possuírem outras cidadanias, mas um projeto de lei não é esperado até o final deste ano.

JPS/dw/ots

Leia mais