Zimbabué: Está a começar uma onda de repressão contra dissidentes? | NOTÍCIAS | DW | 22.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Zimbabué: Está a começar uma onda de repressão contra dissidentes?

Grupos de defesa dos direitos humanos condenam a atuação das autoridades, depois da detenção de um jornalista investigativo e um líder da oposição em Harare, nas vésperas de um protesto anti-corrupção.

Simbabwe Präsidentschaftswahl Emmerson Mnangagwa erklärter Wahlsieger (Getty Images/D. Kitwood)

Emmerson Mnangagwa, Presidente do Zimbabué

O político Jacob Ngarivhume vinha lançando apelos a uma manifestação nacional a 31 de julho contra o Governo do Presidente Emmerson Mnangagwa pela incapacidade de lidar com as dificuldades económicas e a corrupção no Executivo.

Já o jornalista Hopely Chin'ono foi detido depois de divulgar a alegada atribuição de contratos no valor de 60 milhões de dólares pelo Ministério da Saúde a várias empresas por materiais de combate à Covid-19 a preços inflacionados, incluindo equipamento de proteção pessoal. Ambos são acusados de incitamento à violência pública.

As críticas

O porta-voz da Amnistia Internacional na África Austral, Robert Shivambu, diz que os dois devem ser imediatamente libertados e acusa: "A detenção visa intimidar e enviar uma mensagem a jornalistas, denunciantes e ativistas que chamam a atenção para questões que interessam ao Zimbabué". 

Shivambu entende ainda que "as autoridades devem parar de usar o sistema judicial de forma abusiva para perseguir jornalistas e ativistas que estão apenas a exercer o seu direito à liberdade de expressão e de reunião. As autoridades têm de parar de usar os relatórios da polícia para silenciar a dissidência".

Assistir ao vídeo 05:15

Zimbabué: Onde estão os sinais de mudança?

E por isso o porta-voz da ONG exige: "As autoridades têm de libertar imediata e incondicionalmente Chin'ono e Ngarivhume, porque não cometeram nenhum crime e ninguém deve ser detido por protestar de forma pacífica e denunciar suspeitas de corrupção”, exige ainda o colaborador da ONG.

Críticas do partido no poder

A polícia, no entanto, diz ter provas suficientes e que os dois detidos devem responder perante a justiça. Tafadzwa Mugwadi, porta-voz do ZANU-PF, partido no poder, critica os defensores do jornalista e do político da oposição.

"Aqueles que pedem a libertação de Hopely Chin'ono e Jacob Ngarivhume estão a tentar intimidar as nossas instituições e certamente não vão conseguir. As nossas instituições não prendem criminosos para os libertar a seguir. Prendem-nos para os levar ao sistema judicial, para que a justiça prevaleça", afirma.

 E Tafadzwa Mugwadi: "As mesmas pessoas que estão a apelar à libertação dessas duas figuras, que estão a apelar a uma manifestação enquanto estão em vigor as medidas de confinamento para travar a Covid-19 são as mesmas que os aplaudiam enquanto cometiam crimes em plena luz do dia.”

Simbabwe Harare | Demonstration & Ausschreitungen | Movement for Democratic Change (Reuters/P. Bulawayo)

Manifestação dos zimbabueanos contra o aumento do custo de vida em 2019

Aumento da tensão

Centenas de pessoas, incluindo jornalistas, advogados, médicos e enfermeiros foram detidas nos últimos meses no Zimbabué por protestarem, fazerem greve por melhores salários ou, em alguns casos, simplesmente por fazerem o seu trabalho, enquanto a tensão aumenta no país.

Esta terça-feira (21.07), o Presidente Emmerson Mnangagwa impôs um recolher obrigatório e reintroduziu medidas rigorosas para travar a propagação do coronavírus, depois de um aumento acentuado do número de casos nas últimas semanas. As novas medidas proíbem efetivamente o protesto contra a corrupção do Estado marcado para 31 de julho.

Leia mais