Zambézia: Fundos de apoio a iniciativas jovens não foram ainda distribuídos | Moçambique | DW | 15.11.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Zambézia: Fundos de apoio a iniciativas jovens não foram ainda distribuídos

A entrega das verbas está suspensa pela direção provincial que alega irregularidades no processo, relacionadas com candidaturas de funcionários do Estado, sobretudo, professores. Jovens dizem estar cansados de esperar.

Na Zambézia, os atrasos na distribuição de fundos de apoio a iniciativas empreendedoras de jovens estão a gerar revolta entre os candidatos, que deveriam ter recebido o dinheiro entre agosto e setembro.

A província recebeu, no início deste semestre, perto de 900 mil meticais (cerca de 13 mil euros) do Governo central para financiar jovens no desenvolvimento dos seus próprios empregos. No entanto, esta distribuição está a ser travada por questões relacionadas com irregularidades no processo.

Em entrevista à DW África, Beato Dias, responsável da Direção Provincial da Juventude e Desportos da Zambézia, explica que a situação se complicou porque existem investigações que revelam que os candidatos ao financiamento destes projetos de empreendedorismo são, na sua maioria, funcionários e agentes do Estado, sobretudo, professores.

Beato Dias, Provinzdirektion für Jugend und Sport in Sambézia (DW/M. Mueia)

Beato Dias, responsável da Direção Provincial da Juventude e Desportos da Zambézia

Beato Dias afirma que o mesmo aconteceu em anos passados: o dinheiro alocado pelo Governo central para apoiar jovens e desempregados na Zambézia, a título de empréstimo, beneficiou funcionários públicos que, até agora, não o devolveram.

Esquemas fraudulentos

Até à data, avança o diretor da Juventude, foram enviadas 63 candidaturas de projetos de todos os distritos da província. Segundo Beato Dias, a comissão de júri nomeada para acompanhar o processo constatou que 23 destes projetos pertencem a funcionários públicos, nomeadamente, professores e outros funcionários ao nível do distrito. O que, acrescenta Beato Dias, "viola, de forma grave, o próprio regulamento do FAIJ (Fundo de Apoio a Iniciativas Juvenis).

O que se pretende com este fundo é financiar jovens que não estejam a desenvolver nenhuma atividade ou que tenham uma atividade, mas precisem de um impulso para a desenvolver, de modo a empregar mais jovens", explica.

À espera do dinheiro…

Os candidatos dizem estar desesperados. É o caso do comerciante Raimo Ossifo, que tem uma banca onde vende bolachas, açúcar e cerveja. "Pedi o fundo e até agora ainda não me deram resultados. Vieram fazer a vistoria e disseram-me que o valor que eu preciso não corresponde aos meus bens e que esta não é a forma de ajudar. Se uma pessoa diz que está aflita, é para ser ajudada", afirma.

Ouvir o áudio 02:53
Ao vivo agora
02:53 min

Zambézia: Fundos de apoio a iniciativas jovens não foram ainda distribuídos

Silva Livone é também candidato ao fundo de apoio à iniciativa empreendedora juvenil e está igualmente desiludido. Apresentou um projeto relacionado com a criação de animais: "O sentimento é de desagrado. Nós, como jovens, temos esperança neste fundo que é exclusivo para a juventude. E a juventude não se compra, somos jovens hoje, mas daqui a quatro anos já não somos. [Por isso], teria sido bom termos sido financiados. Seríamos um exemplo de sucesso".

Financiamento até ao fim do mês

Ainda assim, o diretor da Juventude, Beato Dias, garante que o financiamento chegará às mãos dos jovens até ao fim do mês de novembro, ainda que o objetivo da direção provincial seja fazer uma seleção rigorosa. "Neste momento, prevemos financiar 18 jovens ao nível da província da Zambézia, em valores que variam entre 30 a 45 mil meticais (550 euros)”, dá conta.

O Conselho provincial da Juventude, um órgão social e braço juvenil do partido FRELIMO, que tem recebido financiamento da Direção da Juventude, ficará de fora. Beato Dias encoraja os membros do Conselho a procurar alternativas. "O Conselho provincial da Juventude pode-se organizar para encontrar outros parceiros. Há outras organizações da sociedade civil que o fazem.Não ficam só à espera do Governo. Há muitos parceiros que querem apoiar a juventude", garante.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados