Violência na África do Sul: Presidente envia missão a países africanos | NOTÍCIAS | DW | 15.09.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Violência na África do Sul: Presidente envia missão a países africanos

O Presidente Cyril Ramaphosa enviou uma missão à Nigéria, Níger, Gana, Senegal, Tanzânia, República Democrática do Congo e Zâmbia para entregar mensagens de solidariedade devido à vaga de violência xenófoba no país.

Confrontos em Joanesburgo a 2 de setembro.

Confrontos em Joanesburgo a 2 de setembro.

A missão, composta pelo ex-ministro da energia Jeff Radebe, o embaixador Kingsley Mmabolo e o veterano do partido no poder Khulu Mbatha, visitará a Nigéria, o Níger, o Gana, o Senegal, a Tanzânia, a República Democrática do Congo e a Zâmbia, refere a presidência sul-africana em comunicado divulgado hoje na página oficial de internet.

Moçambique e Portugal, cujas diásporas na África do Sul foram também afetadas pela violência xenófoba, não são mencionados no comunicado presidencial como parte do itinerário dos enviados especiais nomeados pelo chefe de Estado sul-africano.

O comunicado adianta que os enviados especiais partiram da África do Sul no sábado "para entregar mensagens de solidariedade a vários Chefes de Estado e de Governo em África".

Tranquilizar e informar

De acordo com o comunicado, os enviados são portadores de uma mensagem do Presidente Ramaphosa "sobre os incidentes de violência contra imigrantes estrangeiros na África do Sul, que se manifestaram em ataques a estrangeiros e na destruição de propriedades".

"Os enviados especiais têm a tarefa de tranquilizar os países africanos de que a África do Sul está comprometida com os ideais de unidade e solidariedade pan-africanas. Os enviados especiais vão também reafirmar o compromisso da África do Sul com a Lei e Ordem", salienta a nota.

A Presidência da República sul-africana refere ainda que "os enviados especiais têm por missão informar os governos dos países africanos identificados sobre as medidas que o governo da África do Sul está a tomar para parar com os ataques e responsabilizar os perpetradores".

Os últimos dados oficiais das autoridades sul-africanas indicam que a recente onda de violência xenófoba contra locais e estrangeiros resultou na morte de 12 pessoas, a maioria sul-africanos, mais de 600 detidos e no repatriamento voluntário de 600 nigerianos e cerca de 140 moçambicanos desde o início, a 1 de setembro.

Dados do Ministério dos Negócios Estrangeiros moçambicano indicam que a recente onda de violência xenófoba na África do Sul afetou mais de 400 moçambicanos. 

Pelo menos doze comerciantes e empresários portugueses foram alvo de violentos saques e destruição dos seus negócios.

Leia mais