Vacina contra novo coronavírus é testada em humanos | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 17.03.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Vacina contra novo coronavírus é testada em humanos

Pesquisadores testam em humanos uma vacina preventiva contra o novo coronavírus, que causou a pandemia de covid-19. Testes nos Estados Unidos durarão seis semanas. Vírus já infetou mais de 170 mil pessoas pelo mundo.

Os Institutos Nacionais de Saúde (NIH, na sigla em inglês) - a agência governamental norte-americana de pesquisas biomédicas - divulgaram que uma vacina preventiva ao novo coronavírus foi administrada num grupo de 45 voluntários.

Os participantes dos testes são adultos saudáveis, com idades entre 18 e 55 anos, que participarão nesta investigação nas próximas seis semanas.

"A Fase 1 do ensaio clínico para avaliar uma vacina em investigação projetada para a doença de coronavírus 2019 [covid-19] começou no Instituto de Pesquisa em Saúde Kaiser Permanente Washington em Seattle", comunicou o NIH em nota divulgada à imprensa.

A vacina chama-se RNA-1273 e foi desenvolvida por cientistas do Instituto Nacional de Alergias e Doenças (NIAID, na sigla em inglês), subsidiário do NIH, e por uma empresa de biotecnologia.

O diretor do NIAID, Anthony Fauci, explicou na nota divulgada que "encontrar uma vacina segura e eficaz para prevenir a infeção por SARS-CoV-2 é uma prioridade urgente da saúde pública". Atualmente, não há qualquer vacina aprovada pelas autoridades de saúde para prevenir a infeção do novo coronavírus.

Deutschland Erste Todesfälle nach Infektionen mit Coronavirus | Symbolbild Test

Mais de 170 mil pessoas já foram infetadas

O que a vacina provoca

A RNA-1273 foi desenvolvida usando uma plataforma genética chamada mRNA (RNA mensageiro), que é o ácido ribonucleico que transfere o código genético do ADN do núcleo da célula.

A vacina instrui as células do corpo a expressarem uma proteína viral capaz de uma forte resposta imune. Segundo os investigadores, a vacina experimental teve resultados promissores em modelos animais e esta é a primeira vez que foi testada em seres humanos.

Os cientistas conseguiram desenvolver a vacina graças a estudos anteriores sobre os coronavírus que causaram as epidemias de Sars (Síndrome respiratória aguda grave) e Mers (Síndrome respiratória do Oriente Médio) no passado. Os cientistas já trabalhavam numa vacina contra o Mers, que serviu como ponto de partida para a experiência atual.

Assim que os investigadores tiveram as informações genéticas sobre o SARS-CoV-2, foram capazes de selecionar rapidamente uma sequência para expressar a proteína estabilizada da ponta do vírus na plataforma de mRNA.

O coronavírus responsável pela pandemia da covid-19 infetou cerca de 170 mil pessoas, das quais mais de 6,8 mil morreram. Das pessoas infetadas em todo o mundo, mais de 75 mil recuperaram da doença. O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se por mais de 140 países e territórios - o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia. A pandemia já afeta 30 países africanos. 

Leia mais