Vítimas mortais em novos confrontos em Moçambique | MEDIATECA | DW | 17.06.2013

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

MEDIATECA

Vítimas mortais em novos confrontos em Moçambique

Novo conflito entre homens armados, alegadamente da RENAMO, e as forças do Governo na última madrugada. O palco foi novamente o centro do país. Há mortos e feridos, todos do lado do Governo. Linha de Sena foi fechada.

Ouvir o áudio 04:11

Tudo começou quando os homens armados assaltaram o paiol do Governo. "Estava no Hospital Central da Beira, vi 5 mortos, mas, pelas últimas informações, um sexto elemento morreu, há um desaparecido e um ferido", relata Jorge Batalhão, jornalista da televisão Miramar.

A população, em pânico, foge em debandada agora do posto administrativo de Savane, no distrito do Dondo, a cerca de 80 km da Beira, a segunda maior cidade do país. Ainda de acordo com o relato de Jorge Batalhão, os confrontos começaram na última noite, quando cerca de 100 homens tentaram tomar de assalto o paiol das Forças Armadas de Moçambique. Os homens armados terão conseguido levar parte do material bélico do paiol.

Relativamente a uma informação oficial, o comandante da polícia na província de Sofala, Joaquim Nido, disse que estão "a trabalhar no caso" e que "as informações serão dadas pelo comando policial de Maputo".

"Desfecho natural", diz analista político

Embora a RENAMO, o maior partido da oposição, não tenha assumido a autoria do ataque, no terreno alguns atribuem-lhe a responsabilidade. O confronto acontece numa altura em que o Governo e a RENAMO estão estagnados nas suas sucessivas negociações.

O maior partido da oposição exige, entre outras coisas, o cumprimento na íntegra do Acordo geral de paz de 1992, que pôs fim a uma guerra civil de 16 anos, e paridade na composição da Comissão Nacional de Eleições. Mas o Governo rejeita as exigências da RENAMO.

Que significado tem o último confronto no contexto do impasse das negociações? O analista político Silvério Ronguane responde, afirmando que este "é um desfecho natural, a RENAMO tem tentado por via negocial alcançar o seus objetivos, mas há uma prepotência do lado do Governo".

"Não havendo abertura, o que é que os grupos sociais podem fazer?", questiona o analista, afirmando que "a situação esperada numa situação dessas é naturalmente um conflito".

Conflito já tem consequências económicas

O historial de confrontos entre as duas partes recomeçou em abril último, quando a polícia deteve membros da RENAMO e os seus bens. Como resposta, o maior partido da oposição atacou o quartel para os libertar. Na altura, 5 pessoas morreram e outras 13 ficaram feridas. E de lá até hoje estas situações repetem-se com frequência.

Em resultado dos confrontos desta segunda-feira, a linha de Sena, vital para o escoamento de carvão mineral das empresas mineiras Vale e Rio Tinto que operam na província de Tete, foi fechada. Se estas empresas já se queixam devido à falta de infraestruturas para o escoamento do carvão, agora são afectadas por factores políticos. Silvério Ronguane classifica a questão como "trágica e lamentável", afirmando, no entanto, que "se entrarmos numa lógica da confrontação, isso significa que haverá a sabotagem da atividade económica".

"O que deve acontecer rapidamente é as partes perceberem que é urgente resolver a situação, a paralisação do país."