Vários mortos em tentativa de detenção de opositor do Chade | NOTÍCIAS | DW | 28.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Vários mortos em tentativa de detenção de opositor do Chade

Governo diz que duas pessoas morreram numa troca de tiros na residência de Yaya Dillo, potencial candidato à sucessão de Idriss Déby. Opositor afirma que cinco familiares foram mortos pelas forças de segurança.

Yaya Dillo

Yaya Dillo

Duas pessoas foram mortas e cinco ficaram feridas, este domingo (28.02), depois de as forças de segurança tentarem deter uma figura da oposição chadiana que quer candidatar-se à Presidência em abril, anunciou o Governo.

Três dos feridos são elementos das forças de segurança que foram alvo de tiros a partir da residência de Yaya Dillo Djerou, segundo o porta-voz do Governo, Cherif, Mahamat Zene. "Não tiveram outra hipótese se não devolver os disparos em auto-defesa", afirmou.

O comunicado adianta que as forças de segurança se dirigiram à casa do opositor para o deter, depois de Dillo ter recusado responder a dois mandados judiciais, e foram recebidos com resistência armada. O documento não esclarece a que se referem os mandados e os detalhes da troca de tiros ainda não foram confirmados por fontes independentes.

Na madrugada de sábado (27.02), Yaya Dillo, antigo líder rebelde nomeado ministro depois de unir forças com o Presidente Idriss Déby, anunciou no Facebook que militares e agentes da polícia tinham cercado a sua residência, em N'Djamena. "Acabaram de matar a minha mãe e vários familiares", acrescentou, minutos depois. "Um veículo blindado arrombou a minha porta. A luta pela justiça tem de continuar para salvar o nosso país. Meus caros compatriotas, ergam-se!", escreveu na última mensagem.

Tschad | Idriss Déby Itno

Idriss Déby

Chade vive momento de tensão

Ouvido pela agência de notícias Reuters, Dillo reafirmou que foi atacado por membros da guarda presidencial na sua residência e que cinco membros da sua família tinham morrido, incluindo a sua mãe. Ainda não foi possível confirmar se o opositor foi ou não detido.

Num comunicado ao final do dia, o porta-voz do Executivo, Mahamat Zene, condenou o que descreveu como uma "rebelião armada no coração da capital". O Governo acredita que estava a ser planeada há muito tempo, acrescentou.

A Internet está em baixo na capital desde a manhã de domingo, segundo testemunhas ouvidas pela Reuters. Dillo, uma das 16 pessoas que já anunciaram a intenção de concorrer à Presidência do Chade, em abril, afirma que a sua residência está cercada por forças do Governo desde o incidente.

O país vive momentos de tensão, nas vésperas das eleições. No início do mês, as autoridades proibiram as marchas e protestos em N'Djamena e nas províncias. A 18 de fevereiro, um tribunal do Chade condenou um ativista dos direitos humanos a três anos de prisão, por escrever que Idriss Déby estava gravemente doente e a receber tratamento em França. Déby, que lidera o Chade há mais de 30 anos, candidata-se a um sexto mandato.

Leia mais