Várias companhias deixam de sobrevoar espaço aéreo da Bielorrússia | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 25.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Várias companhias deixam de sobrevoar espaço aéreo da Bielorrússia

Várias companhias aéreas vão deixar de sobrevoar o espaço aéreo da Bielorrússia, após avião ter sido forçado a aterrar em Minsk para o Governo prender jornalista. UE impõe mais sanções contra o regime de Lukashenko.

Avião da Ryanair desviado para Minsk

Avião da Ryanair desviado para Minsk

Companhias aéreas como a Air France, Lufthansa, KLM, Finnair e Singapore Airlines, decidiram deixar de sobrevoar o espaço aéreo bielorrusso, depois de o Governo daquele país ter desviado para Minsk um avião comercial da irlandesa Ryanair para prender um opositor.

Em comunicado, a Air France indicou que, com base na decisão tomada pelos líderes da União Europeia (UE) na noite de segunda-feira (24.05), "suspende até novo aviso o sobrevoo do espaço aéreo bielorrusso pelas das suas aeronaves".

A companhia aérea diz ainda que acompanha permanentemente a situação geopolítica dos territórios para os quais as suas aeronaves voam ou sobrevoam e "faz cumprir estritamente os regulamentos".

Blogger Roman Protassewitsch

Jornalista Roman Protasevich

Pouco depois deste anúncio, a holandesa KLM e a finlandesa Finnair também indicaram que as suas aeronaves evitarão o espaço aéreo da Bielorrússia. A companhia aérea alemã Lufthansa disse igualmente na noite passada que suspenderá temporariamente os voos que passam pela Bielorrússia até nova ordem, tal como a escandinava SAS e a letã airBaltic.

Hoje, também a Ucrânia anunciou a suspensão de todos os voos de e para a Bielorrússia, encerrando o espaço aéreo do país vizinho para as suas companhias aéreas. A Lituânia anunciou também que vai proibir voos, de ou para o seu território, que cruzem o espaço aéreo bielorrusso.

Sanções contra regime de Lukashenko

Reunidos em Bruxelas na segunda-feira, os líderes europeus pediram às companhias aéreas europeias que evitem o espaço aéreo bielorrusso, enquanto banem as transportadoras da Bielorrússia na Europa. Exigiram ainda mais sanções contra o regime de Lukashenko.

Nessa tomada de posição, os 27 pediram ainda uma "investigação urgente" à Organização da Aviação Civil Internacional ao incidente, bem como a "libertação imediata" do jornalista e ativista Roman Protasevich e da sua namorada, Sofia Sapéga, também detida no domingo (23.05) no mesmo voo.

Vários países e organizações internacionais condenaram a ação das autoridades bielorrussas, que alegaram ter agido dentro da legalidade ao intercetar o voo comercial da Ryanair. 

O ativista foi detido pelas autoridades bielorrussas, quando os cerca de 120 passageiros do avião da Ryanair foram forçados a submeter-se a novo controlo em Minsk, devido a um suposto aviso de bomba.

Roman Protasevich foi diretor dos canais Telegram Nexta e Nexta Live, que se tornaram as principais fontes de informação nas primeiras semanas de protestos antigovernamentais após as eleições presidenciais de agosto de 2020 na Bielorrússia.

Assistir ao vídeo 04:09

As opções e os riscos de Vladimir Putin na Bielorrússia

Leia mais