União Europeia implementa apoio ao processo de paz efetiva em Moçambique | Moçambique | DW | 02.12.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

União Europeia implementa apoio ao processo de paz efetiva em Moçambique

Embaixador da UE em Moçambique garante que 10 milhões de euros já estão a ser aplicados e outros 50 milhões devem ser transferidos ao longo de 2020 através de projetos de desenvolvimento.

O embaixador da União Europeia em Moçambique, António Sanchez-Benedito, está otimista em relação ao processo de paz entre o o Governo moçambicano e o maior partido da oposição, a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO).

Em entrevista à DW África, o diplomata garante que os recursos de apoio à implementação do processo de paz efetiva já estão a ser aplicados. Com a assinatura do acordo de paz, em agosto de 2019, a União Europeia prometeu transferir 60 milhões de euros. 

Numa primeira fase, 10 milhões de euros estariam a ser aplicados em projetos sociais e de reconciliação nas áreas atingidas pelos ataques. Os outros recursos devem ser investidos gradualmente ao longo de 2020 para a desmobilização dos homens da RENAMO.

Em entrevista à DW África, o embaixador confirmou que recebeu uma lista de cinco mil homens da RENAMO à espera de serem acantonados. António Sanchez-Benedito afirma que os ataques na região centro não vão impedir a implementação do acordo porque a autoproclamada "Junta Militar", a quem são atribuídos esses ataques, não faz parte deste processo.

Mosambik Trinkwasseraufbereitung Einsatz THW

António Sanchez-Benedito, embaixador da UE em Moçambique (centro)

DW África: Em que fase está a disponibilização da verba que foi anunciada no dia do acordo de paz efetiva?

António Sanchez-Benedito (ASB): Estes 60 milhões de euros têm de ser transferidos através de diferentes programas. Vamos começar pela primeira parte, que são 10 milhões destinados a uma série de intervenções que já estão encaminhadas e outros recursos que seguirão nos próximos anos. É importante também acompanhar o processo à medida que avança. Há entidades e diversos parceiros que implementarão os recursos em diferentes programas.

DW África: Quais os programas identificados para a aplicação dos 10 milhões de euros?

ASB: Os 10 milhões de euros são a primeira fase, que já está a ser articulada neste ano. [Mais] 25 milhões estão previstos para o ano que vem (2020) e outros 25 milhões serão aplicados nos finais de 2020. Portanto, temos uma estratégia desenhada em diferentes fases. Sobre estes 10 milhões iniciais, estamos a falar de várias atividades diretamente ligadas a um fundo comum que está a ser agora operacionalizado pelas Nações Unidas. Por outro lado, estamos a falar de apoio direto através de ONG que estão a trabalhar com as populações e outros parceiros para apoiar as pessoas e as comunidades atingidas pelo conflito. As atividades ligadas à reconciliação são muito importantes, mas o processo começou recentemente. Temos que acompanhá-lo. Na lista entregue pela liderança da RENAMO com o número de pessoas que devem ser desmobilizadas, cinco mil foram registadas. Este número é pequeno. Precisa de ser criado um clima de confiança no processo e estamos somente no início.

Ouvir o áudio 03:43

UE transfere recursos do apoio ao processo de paz efetiva

DW África: O que já foi feito pelas cinco mil pessoas entregues pela RENAMO para a desmobilização?

ASB: Agora as pessoas devem ser acantonadas e isto não dependerá da UE, mas das duas partes deste processo, que tem de avançar com confiança. Portanto, a UE está lá para acompanhar e apoiar. A UE vai impulsionar o conjunto do processo. O mais importante é que o processo está a avançar aos poucos, apesar das dificuldades. Estamos otimistas que isso seja irreversível.

DW África: Com o registo de novos ataques, vale a pena continuar a apoiar a implementação do acordo de paz?

ASB: Sim, vale a pena. Estes ataques, cuja autoria não está muito clara, foram condenados pela liderança da RENAMO, que faz parte do processo de paz. A "Junta Militar" não faz parte do processo de paz. As declarações que eles fizeram - que colocam em questão o acordo de paz, do qual eles decidiram ficar à margem - não podem condicionar o apoio. Em qualquer processo de paz, existe sempre o risco de algumas pessoas ficarem de fora. Mas o importante é que as duas partes assinaram. O Pesidente da República e o presidente da RENAMO continuam empenhados na implementação do processo, e nós vamos continuar a apoiar. Não vamos deixar que um grupo de pessoas termine com o processo usando de ameaça, intimidação ou ataques.

DW África: A UE tem estado em contato com as duas partes para saber como o financiamento e o desarmamento serão feitos?

ASB: Claro que sim. A UE não está a impor uma agenda determinada. Estamos a trabalhar sob a base das necessidades do país, e há preocupações das duas partes. Além disso, eu pessoalmente faço parte do grupo de contacto que acompanha todo o processo ao nível mais político. Há uma necessidade não somente de apoiar essas pessoas que estão a ser desmobilizadas e reintegradas à sociedade. Sobretudo quando falamos com as duas partes, há também esta preocupação de como fazer chegar ajuda a todas as comunidades que foram afetadas pelo conflito. A UE quer continuar a apoiar, sobretudo nos serviços básicos, na reconciliação e na criação de condições de desenvolvimento.

DW África: A RENAMO promete desmobilizar as forças, mesmo aquelas que estão na "Junta Militar"?

ASB: As pessoas que estão na "Junta Militar" estão a questionar a liderança da RENAMO. Não estou a dizer que toda essa gente vai aceitar. O que interessa é que o presidente é reconhecido pelo Governo de Moçambique e pela comunidade internacional e foi eleito num processo com diferentes candidatos. Pode haver algumas dissidências, o que já aconteceu em outros processos de paz, mas o mais importante é que a RENAMO e o seu presidente [Ossufo Momade] continuam comprometidos em aplicar o acordo de paz.

Mosambik RENAMO Rebellen im Gorongosa Gebirge 2013

RENAMO apresentou lista com 5 mil nomes a serem desmobilizados

DW África: Em termos técnicos, podemos afirmar que a desmobilização e a desmilitarização dos homens residuais da RENAMO estão no bom caminho?

ASB: Eu diria que está a começar. Ainda não temos perspetivas suficientes e são poucas as pessoas que foram levadas para o acantonamento. Portanto, ainda estamos no início. Temos de ser prudentes, mas também otimistas. Apoiar com todos os meios possíveis. Porque achamos que vale a pena e que o país precisa dessa paz definitiva para continuar a concentrar todos os esforços no desenvolvimento. O importante é acabar com este conflito tão antigo.

DW África: Está otimista quanto ao fim deste conflito?

ASB: Sim, estou. Apesar das dificuldades.

DW África: Há dificuldades no registo e acantonamento dessas forças?

ASB: As dificuldades resultam de uma falta de confiança. São muitos anos de conflito. Pensar que vamos resolver isto de um dia para o outro seria muito ingénuo. Mas a história mostra que tem havido esforços e acordos de paz que não chegaram a ser verdadeiramente implementados. Temos uma nova oportunidade, mas, ao mesmo tempo, também existe uma fadiga. Existe, porém, uma vontade acumulada de ambas as partes e uma pressão positiva por parte dos parceiros. Acho que está bem direcionado.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados