União Europeia - África: Educação para conter a migração | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 28.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

União Europeia - África: Educação para conter a migração

'Investir na Juventude para um futuro sustentável', é o lema da quinta cimeira da União Africana-União Europeia (29/30.11), em Abidjan. Os temas principais são a migração e a segurança, mas também o futuro dos jovens.

Uganda Flüchtlingslager in Nakivale (DW/S. Schlindwein)

Campo de refugiados em Nakivale, Uganda

As aulas para refugiados no Uganda, quando acontecem, estão a ser realizadas em barracas ou em baixo de árvores. Não existem escolas para todos. Há quatro anos, Natalia Mbisimo Peace e sua família fugiram da guerra civil no Sudão do Sul rumo ao país vizinho, Uganda. "Desde então, eu não fui mais para a escola", contou a jovem hoje com 20 anos. Ela espera que um dia possa continuar seus estudos. Essas declarações também fizeram parte de um recente encontro entre a jovem Peace e representantes da União Europeia e das Nações Unidas em Bruxelas. Com isso, a jovem refugiada pretende chamar atenção para as questões de sua geração. 

Educação como resposta

Natalia Mbisimo Peace (DW/A. De Loore)

Natalia Mbisimo Peace do Sudão do Sul vive atualmente no Uganda

"Educação é o que mais precisamos", afirmou Peace. Mesmo quando há aula, muitas crianças e jovens não podem comparecer. Eles têm outras responsabilidades. Como, por exemplo, buscar água para suas famílias. Mohamed Malick Fall, da UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, dá toda razão à jovem. Mas a situação no Uganda não é uma exceção. Em seu próprio país, na Nigéria, o problema é ainda mais evidente.

"Somente na Nigéria, cerca de 10 milhões de crianças não vão à escola. Isso significa um quinto de todas as crianças que não têm acesso à educação em todo o mundo", calculou Fall. Tanto na Nigéria quanto no Uganda, são os conflitos violentos que mantêm as crianças longe da escola. "No Norte, enfrentamos grandes problemas com a organização terrorista muçulmana Boko Haram", revelou Fall.

"Meninas são forçadas a casar desde muito cedo. Aos 20 anos, elas já têm cinco ou seis filhos", disse Fall. E então, o sonho de estudar é enterrado em definitivo. Ainda assim, as mudanças climáticas, com seus consequentes desastres naturais, como, por exemplo, a seca, são outros agentes do problema. Fall preocupa-se, sobretudo, com o que está para vir. De acordo com as previsões da ONU, a população da Nigéria deve atingir os 400 milhões de habitantes até 2050. E nos próximos 80 anos a população de África deverá quadruplicar. Aproximadamente, um em cada dois africanos vai ter menos de 15 anos. Fall adverte para que medidas urgentes sejam tomadas agora. 

Ouvir o áudio 02:29
Ao vivo agora
02:29 min

União Europeia - África: Educação para conter a migração

Oferta de trabalho ao invés de fuga

A União Europeia está preocupada com o futuro dessa população num continente confrontado com o terrorismo, a fome, a má governação ou ainda as catástrofes climáticas. "É crucial que as crianças em África tenham acesso à educação", afirmou o comissário da União Europeia, Christos Stylianides, em entrevista à DW. Ele é responsável pelo departamento de ajuda ao desenvolvimento da União Europeia. Somente através da educação é possível mostrar aos jovens que "eles têm um futuro em África, que existe esperança para eles e para suas famílias", asseverou o político. Por isso, Stylianides aumentou o orçamento para educação oito vezes. "No entanto, isso ainda não é suficiente para dar conta de toda a demanda", destacou Stylianides.

Cécile Kyenge (European Union)

"África precisa assumir a responsabilidade do seu futuro”, disse Cécile Kyenge

Cécile Kyenge sabe bem o que acontece quando os jovens em África não conseguem ter uma perspectiva. Eles migram. Ela foi ministra da Integração na Itália e responsável por milhares de migrantes, que aportavam anualmente no país pelo mar mediterrâneo. Atualmente, deputada no Parlamento Europeu, ela é responsável pela Cooperação com a África. No entanto, para ela, somente educação não vai resolver a questão. "Os jovens deixam a África porque eles não enxergam uma perspetiva diante de tantos problemas políticos, legais e económicos", explicou Kyenge. 

É por isso que a questão da migração deve ser confrontada em diferentes níveis. Os jovens precisam ter uma chance de construir uma carreira onde vivem. "Acredito que as empresas europeias, que já estão presentes em África, poderiam oferecer mais oportunidades de emprego para esses jovens", avaliou Kyenge. E, para aqueles que não conseguem vislumbrar um futuro no seu país, é preciso garantir rotas seguras e legais para a Europa, para que eles não morram mais afogados no mar mediterrâneo.    

"África precisa assumir a responsabilidade de seu futuro”

Kyenge espera que as próximas cimeiras entre os chefes de Estado europeus e africanos, como esta que arranca nesta quarta-feira (29.11), na Costa do Marfim, tragam resultados concretos. Quem sabe assim o número de pessoas que arriscam suas vidas pelo sonho de ter mais dignidade na Europa não diminui? Mas a deputada não está confiante. Ela não acha que apenas a Europa seja responsável pela solução dos problemas. "Chegamos num ponto em que a África também deve assumir a responsabilidade do seu futuro e assumir o controle da situação", advertiu Kyenge. Como exemplo, a eurodeputada citou a luta contra os ditadores. Ela salientou, entretanto, que a Europa não deve, por isso, deixar a África sozinha.

Mohamed Malick Fall (DW/A. De Loore)

Mohamed Malick Fall, da UNICEF

Mohamed Malick Fall, da UNICEF, também considera importante que as mudanças necessárias sejam feitas pelos africanos. A partir daí, a União Europeia pode e deve apoiar a África. Fall está convencido de que as primeiras melhorias já são visíveis. "Na Nigéria, por exemplo, onde o Boko Haram está ativo, vejo todos os dias jovens professores, médicos e enfermeiras que realizam seus trabalhos sob risco de vida constante", contou.      

"Mas não é por isso que se pode cometer o erro de pensar que esses problemas vão ser solucionados rapidamente", avisou Fall. Mesmo assim, ele permanece otimista: "Toda iniciativa que visa ajudar essas sociedades em áreas de conflito ou que tenham passado por desastres naturais a reconstruirem-se é um passo na direção certa. Tais ações podem dar mais esperança aos jovens em África. E assim diminuiria a quantidade de pessoas deixando tudo para trás para tentar a sorte na Europa", concluiu.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados