Uganda: Yoweri Museveni é reeleito com 58% dos votos | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 16.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Uganda: Yoweri Museveni é reeleito com 58% dos votos

A comissão eleitoral do Uganda confirmou a vitória do Presidente, que está há 35 anos no poder. O candidato da oposição, Bobi Wine, reitera que esta eleição - a mais conturbada de sempre no país - foram "fraudulentas".

Yoweri Museveni, Presidente do Uganda

Yoweri Museveni foi reeleito com 58,64% dos votos

"A comissão eleitoral declara Yoweri Museveni eleito Presidente da República do Uganda", anunciou este sábado (16.01) o presidente da comissão eleitoral do país, Simon Mugenyi Byabakama.

O Presidente de 76 anos foi reeleito com 58,64% dos votos, reafirmando-se como um dos líderes autoritários mais antigos do mundo. O candidato da oposição, Bobi Wine, conseguiu angariar 34,83% dos votos.

No poder há 35 anos, Museveni mudou a Constituição do país para poder concorrer a mais um mandato de cinco anos. A estrela do pop, Bob Wine, alegou fraude generalizada na votação realizada na quinta-feira passada (14.01) e rejeita os resultados oficiais.

Bobi Wine

Bobi Wine, da oposição, diz que as eleições foram fraudulentas

Eleições conturbadas

Numa das campanhas eleitorais mais conturbadas da história do Uganda, Bobi Wine, que tem apoio da juventude do Uganda, disse que a sua casa na capital Kampala estava sob cerco de soldados do Governo. No dia da votação, houve forte presença de polícias e militares nos locais de votação.

Esta sexta-feira (15.01), Bobi Wine disse denunciou, através da rede social Twitter, que os militares "assumiram o controlo" da sua casa. O opositor disse que estava "em sérios apuros".

A rede de Internet foi encerrada em todo o país pouco antes do início da votação. Kampala permaneceu em silêncio este sábado, com os cidadãos instruídos a permanecerem em casa, com as forças de segurança a patrulhar as ruas.

Leia mais