Uganda: Opositor diz que eleições foram ″as mais fraudulentas da história″ do país | NOTÍCIAS | DW | 18.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Uganda: Opositor diz que eleições foram "as mais fraudulentas da história" do país

É assim que Bobi Wine classifica as presidenciais da passada quinta-feira (14.01). O político e músico apela ao povo e à comunidade internacional a rejeitarem a vitória do Presidente Yoweri Museveni.

Uganda Wahl Robert Kyagulanyi Bobi Wine

Bobi Wine

O candidato presidencial pela Plataforma de Unidade Nacional (NUP), disse à agência Efe a partir da sua casa, onde permanece bloqueado, que "o general Museveni assumiu o controlo destas eleições. Os números que as autoridades estão a divulgar não são reais".

Os resultados das presidenciais divulgados pela Comissão Eleitoral do país no sábado (16.01) garantem o sexto mandato ao Presidente Museveni, no poder desde 1986, com 58,64% dos votos contabilizados, tendo Robert Kyagulanyi, o nome verdadeiro de Bobi Wine, músico popular no país e deputado desde 2017, registado 34,83% dos votos.

Desde a publicação dos resultados oficiais, Wine tem sido mantido bloqueado na sua casa - a cerca de 15 quilómetros do centro de Kampala - pelas forças de segurança, que o têm impedido de sair e de receber visitas em casa. 

"Estou sob prisão domiciliária, mais de 400 soldados estão a cercar a minha casa. Nem eu nem a minha mulher podemos sair de casa, estamos a ficar sem comida, mas ninguém pode entrar, mesmo os meus advogados foram bloqueados", disse Bobi Wine.

Tansania Chato 2020 | Yoweri Museveni, Präsident Uganda

Yoweri Museveni, candidato dado como vencedor

Não é detenção, é proteção...

O exército ugandês nega, porém, a detenção de Wine. Um porta-voz da instituição, coronel Deo Akiiki, disse à Efe este fim-de-semana que a operação se destina a garantir a segurança do político de 38 anos.

"Se não deixamos ninguém entrar na casa de Bobi Wine, é para sua própria segurança e para a segurança das pessoas próximas do candidato presidencial", afirmou Akiiki.

A NUP revelou também que altos dirigentes da coligação da oposição foram hoje impedidos de chegar à sua sede na capital, Kampala, quando se preparavam para reunir e preparar a contestação legal da detenção domiciliária de Wine.

Polícia quer se apoderar das provas de fraudes?

A polícia se possou dos escritórios da NUP esta madrugada, desviou o trânsito, e impediu a entrada de pessoas, disse o porta-voz da coligação e deputado, Joel Ssenyonyi, à agência Associated Press.

Uganda Polizei

Polícia do Uganda

A formação política de Bobi Wine garante ter provas em vídeo de várias fraudes eleitorais levadas a cabo por militares. Medard Sseggona, deputado e advogado de Wine, manifestou receios de que a polícia apreenda informação vital relacionada com as eleições guardada na sede do partido.

Em declarações ao país a seguir ao anúncio dos resultados eleitorais no sábado (16.01), Museveni rejeitou as alegações de fraude eleitoral. "Penso que estas podem ser as eleições mais isentas de batota desde 1962", ano da independência do Reino Unido, afirmou o chefe de Estado.

Wine, que começou por rejeitar os resultados oficiais desde que os primeiros números foram sendo lançados, na sexta-feira (15.01) passada, afirmou esta segunda-feira (18.01), em contrapartida, que estas foram "as eleições mais fraudulentas da história do Uganda".

"Levaremos estas eleições a tribunal"

O político assegurou que partilhará "todas as provas que a sua equipa reuniu" logo que "forem restabelecidas as ligações à internet", bloqueadas desde a noite anterior às eleições.

"Levaremos estas eleições a tribunal, apesar de sabermos que o poder judicial é controlado pelo general Museveni. É por isso que estamos também a considerar outras opções pacíficas, incluindo protestos não violentos em todo o Uganda e em todo o mundo", disse Wine.

Uganda Wahlen l Stimmabgabe in Kampala

Votação para as presidenciais

"Todas as decisões que tomamos dentro do meu partido são tomadas em grupo, são decisões de grupo. Uma vez que ainda não consegui encontrar-me com os líderes do meu partido, ainda não podemos dizer claramente quais serão os nossos próximos passos, mas certamente partilharemos com o público o que vamos fazer a seguir", garantiu o político.

Manifestações

A atual tensão política suscita receios de que venham a repetir-se episódios como os de novembro passado, quando pelo menos 54 pessoas foram mortas pelas forças de segurança ugandesas em ações de repressão quando milhares de manifestantes saíram às ruas para exigir a libertação de Bobi Wine, detido na altura.

Fontes policiais confirmaram à Efe que, em pelo menos duas cidades ugandesas, Masaka (sudeste) e Luweero (centro), já houve manifestações isoladas nos últimos dias, que foram dispersadas pelas forças de segurança em operações que resultaram em dezenas de detenções.

Assistir ao vídeo 03:19

Uganda terá primeiras eleições gerais sem comícios

Leia mais