1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Demokratische Republik Kongo | UN Blauhelme nach Kämpfen mit Rebellengruppe M23
Foto: Djaffar Sabiti/REUTERS
ConflitosRepública Democrática do Congo

Ucrânia ordena retirada de 'capacetes azuis' na RDC

Lusa
18 de setembro de 2022

Os militares da Ucrânia destacados como 'capacetes azuis' na República Democrática do Congo (RDC) abandonaram o país africano por ordem do Governo de Kiev, indicou a missão das Nações Unidas na RDC (MONUSCO).

https://p.dw.com/p/4H20J

"A pedido do Governo da Ucrânia, as tropas ucranianas retiraram-se oficialmente da MONUSCO", escreveu este sábado (17.09) a missão da ONU na sua conta da rede social Twitter. "O comandante da força, o general Marcos da Costa, agradeceu [aos soldados ucranianos] os seus 10 anos de imensas contribuições e serviços ao povo congolês", acrescentou.

De acordo com os mais recentes dados disponíveis, a MONUSCO tinha, em novembro de 2021, cerca de 17.800 efetivos destacados no país, incluindo 12.380 militares, sobretudo procedentes do Paquistão (1.974), Índia (1.888), Bangladesh (1.634), Indonésia (1.037), África do Sul (979), Nepal (936) e Marrocos (923).

A Ucrânia não estava entre os 10 países que contribuíam com mais soldados para a missão da ONU, mas o Governo ordenou o seu regresso ao país presumivelmente devido à ofensiva russa ali em curso desde 24 de fevereiro deste ano, que causou até agora um número de vítimas -- militares e civis - ainda por contabilizar, além de mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,2 milhões de refugiados em países europeus, segundo dados atualizados da ONU.

Protestos contra a presença da MONUSCO

Em finais de junho, houve protestos em grande escala na RDC contra a presença da MONUSCO - que ali se encontra há mais de duas décadas -, depois de muitos congoleses considerarem que a missão não está a fazer o suficiente para proteger os civis dos grupos armados que combatem no leste do país.

Algumas dessas manifestações desembocaram em ataques e pilhagens às instalações da ONU em várias localidades, deixando um rasto de pelo menos 33 mortos, incluindo civis e quatro 'capacetes azuis', segundo números oficiais.

No passado mês de agosto, o Presidente da RDC, Félix Tshisekedi, falou com o secretário-geral da ONU, António Guterres, para abordar a crise, depois de confirmar que está em curso "um plano de retirada progressiva" da MONUSCO que deverá concluir-se em 2024.

O extremo oriental do país está desde 1998 mergulhado num conflito alimentado pelas milícias rebeldes e pelos ataques dos soldados do exército. A ausência de alternativas e métodos de subsistência estáveis levou milhares de congoleses a pegar em armas e, segundo o Barómetro de Segurança de Kivu (KST, na sigla em inglês), o leste da RDC é o campo de batalha de pelo menos 122 grupos rebeldes.

Ataques terroristas espalham medo no leste da RDC

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado