Ucrânia: Guerra pode gerar crise alimentar severa no Sudão | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 21.03.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Ucrânia: Guerra pode gerar crise alimentar severa no Sudão

Quase um em cada dois sudaneses pode vir a passar forme este ano, por efeito da guerra entre Rússia e Ucrânia, os principais exportadores de trigo para o Sudão. É o alerta da organização Save the Children.

Foto simbólica

Foto simbólica

No final do ano em curso, "20 milhões de pessoas estarão em insegurança alimentar" dos 45 milhões de sudaneses. É o que diz o chefe de operações da organização não-governamental Save the Children, que ressalta que o Sudão é um dos países mais pobres do mundo.

Em declarações à agência AFP, David Wright chamou a atenção esta segunda-feira (21.03) para o facto de "86 a 87% do trigo consumido no país" ser proveniente da Rússia e da Ucrânia, e que a guerra entre os dois países fez com que os preços mundiais do cereal ultrapassassem os recordes estabelecidos em 2008, o que na altura esteve na origem de motins em protestos contra a fome.

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), um em cada três sudaneses necessita de ajuda humanitária no país, onde a inflação se aproxima dos 260%, a moeda está em queda livre e o preço do pão aumentou 10 vezes desde o golpe militar de 25 de outubro de 2021, que privou o país do apoio político e económico internacional.

Pode surgir de África a solução para a crise do gás na Europa?

Aprofundar da crise

De um dia para o outro, o Estado sudanês perdeu 40% das suas receitas: o Banco Mundial suspendeu dois mil milhões de dólares (1,81 mil milhões de euros) em ajudas e os Estados Unidos 700 milhões de dólares (634,1 milhões de euros).

Pior ainda, Washington, que tinha enviado 300.000 toneladas de trigo em 2021, não enviará as 400.000 toneladas prometidas em 2022.

"A combinação de todos estes acontecimentos" levará à "grave deterioração de uma situação que já não era boa", afirmou Wright.

Neste contexto, as famílias sudanesas podem vir a "recorrer a más estratégias de sobrevivência" tais como levarem os filhos a abandonar a escola, recorrerem ao trabalho infantil ou forçarem o casamento de raparigas adolescentes. 

O Sudão é já um dos países com pior desempenho escolar no mundo árabe, com taxas de matrícula no ensino primário na ordem dos 76%, mas de apenas 28% no secundário, de acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Ucrânia: Uma guerra ainda sem fim à vista

Mais uma vez, os que mais irão sofrer são os 3,3 milhões de deslocados do país, principalmente na região ocidental de Darfur, assolada por um conflito que se arrasta há décadas, bem como o milhão de refugiados provenientes do vizinho Sudão do Sul, da Etiópia e da Eritreia, também flagelados pela violência, advertiu David Wright. 

"Furacão de fome"

Há uma semana, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, alertou para "um furacão de fome" em muitos países, referindo-se ao Sudão, em particular. 

A guerra na Ucrânia ameaça ainda ter como efeito o redirecionamento este ano da ajuda humanitária para a Europa, onde a ONU estima que 12 milhões de pessoas na Ucrânia precisarão de proteção, assim como outros quatro milhões que fugiram para os países vizinhos. 

"Vemos uma maravilhosa solidariedade entre europeus", assinalou Wright, acrescentando que a sua "preocupação é que muito do dinheiro do sistema humanitário global seja absorvido".

"Esperamos que não afete os nossos orçamentos, mas pode: podemos ter menos dinheiro investido no Sudão ou noutros lugares, mesmo quando a situação se agrava com a inflação", concluiu.

Exame Eco: Segurança alimentar em África

Leia mais