Ucrânia: Ataque russo à torre de televisão em Kiev faz mortos | NOTÍCIAS | DW | 01.03.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Ucrânia: Ataque russo à torre de televisão em Kiev faz mortos

Ataque russo à torre de televisão na capital ucraniana fez pelo menos cinco mortos, de acordo com fontes oficiais do país. E a Rússia intensifica os ataques contra Kiev e Kharkiv, onde matou pelo menos 18 pessoas.

- Ataque russo à torre de televisão em Kiev deixa pelo menos cinco mortos

- Uma escolta de tanques, camiões e artilharia russa aproxima-se de Kiev

- Mais de 70 soldados ucranianos mortos pela artilharia russa em Okhtyrka

- ONU confirma a morte de 102 civis, incluindo sete crianças

- Zelenski faz discurso emotivo no Parlamento da UE 

Última atualização às 21:20 (UTC - Tempo Universal Coordenado)

Tropas russas avançaram nesta terça-feira  (01.03) para a capital da Ucrânia, onde já há relatos de bombardeamentos e mortes. Uma torre de televisão em Kiev foi atingida por um ataque russo, de acordo com fontes ucranianas.

Também a transmissão de programas de televisão foi interrompida "durante um certo período de tempo", de acordo com o Ministério do Interior ucraniano. No entanto, a estrutura da torre de televisão no centro de Kiev permaneceu intacta.

No sexto dia da invasão russa da Ucrânia, um ataque aéreo sobre a praça central de Kharkiv, cidade de 1,4 milhões de pessoas, perto da fronteira com a Rússia, atingiu a sede da administração regional, disse o governador Oleg Sinegubov num vídeo no Telegram que mostra a explosão.

Brüssel | Sitzung des Europaparlaments zur Ukraine Krise - Volodymyr Zelenskyy

Volodimir Zelenski durante a sessão do Parlamento Europeu sobre a crise na Ucrânia nesta terça-feira (01.03)

Hoje, mais cedo, num discurso à União Europeia (UE), o Presidente ucranianao afirmou que os ucranianos estão a lutar pelos seus direitos, "pela nossa liberdade, pelas nossas vidas", disse  Volodimir Zelenski no seu apelo urgente.

"Estamos a lutar pela nossa sobrevivência, e essa é a maior motivação. Mas também queremos ser membros iguais na Europa". Os ucranianos tinham provado que eram europeus, disse ele.

"Prove que está do nosso lado", exortou ao Parlamento Europeu na tarde desta terça-feira (01.03), através de uma ligação vídeo. "Provem que não nos estão a abandonar, provem que são realmente europeus!"

O Parlamento Europeu aprovou hoje uma resolução a pedir às instituições da União Europeia (UE) esforços para reconhecer a Ucrânia como candidata à adesão ao bloco comunitário e para sancionar mais severamente a Rússia.

Em causa está uma resolução aprovada na sessão plenária extraordinária da assembleia europeia de hoje, em Bruxelas, com 637 votos a favor, 13 contra e 26 abstenções, na qual o Parlamento "apela às instituições da União para que desenvolvam esforços no sentido de conceder à Ucrânia o estatuto de país candidato à adesão à UE".

Na tarde desta terça-feira, os ministros dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, França e Polónia reafirmaram a sua "firmeza contra a Rússia" e apoio à Ucrânia, numa reunião na cidade polaca de Lodz, no formato Triângulo de Weimar, grupo formado pelos três países. 

Também o Reino Unido anunciou hoje sanções contra quatro altos funcionários militares e duas empresas da Bielorrússia devido ao apoio deste país à invasão russa da Ucrânia. 

Refugiados da Ucrânia chegam à Polónia

Leia mais