Tribunal Penal Internacional envia a maior missão em peritos para a Ucrânia | NOTÍCIAS | DW | 17.05.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Tribunal Penal Internacional envia a maior missão em peritos para a Ucrânia

O Tribunal Penal Internacional (TPI) enviou para a Ucrânia uma equipa de 42 especialistas, a maior missão de sempre em termos de efetivos, para investigar alegações de crimes de guerra cometidos durante a invasão russa.

"Confirmo que hoje o meu escritório enviou uma equipa de 42 investigadores, cientistas forenses e outros funcionários de apoio para a Ucrânia", disse Karim Khan num comunicado, acrescentando que é "a mais importante missão em termos de efetivos já enviada para o terreno de uma só vez".

O procurador do TPI, criado em 2002 para julgar os piores crimes cometidos no mundo, abriu uma investigação em 03 de março sobre alegações de crimes de guerra e crimes contra a humanidade na Ucrânia, após receber luz verde de quase 40 Estados.

Khan deslocou-se à Ucrânia em abril, incluindo o subúrbio de Bucha, em Kiev, onde pelo menos 20 corpos foram descobertos em 02 de abril.

"Graças ao envio de uma equipa de investigadores, poderemos seguir pistas e recolher testemunhos relacionados a ataques militares que podem constituir crimes abrangidos pelo Estatuto de Roma", que é o tratado fundador do TPI, referiu o procurador.

Assistir ao vídeo 05:25

Guterres: "Uma guerra no século XXI é um absurdo"

Khan também agradeceu ao Governo dos Países Baixos pela sua cooperação, com o envio de um "número significativo de especialistas nacionais” em apoio à missão do TPI, que está sediado em Haia, Países Baixos.

"As nossas atividades investigativas e forenses no terreno vão tornar-se mais eficientes através dessa colaboração", acrescentou.

A guerra na Ucrânia, que hoje entrou no 83.º dia, causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas das suas casas – cerca de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,1 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também as Nações Unidas disseram que cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

Assistir ao vídeo 01:21

Abrigo de mulheres ucranianas apoia combatentes na linha da frente

Leia mais