Tribunal moçambicano condena réus acusados de desvio de dinheiro público | Moçambique | DW | 20.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Tribunal moçambicano condena réus acusados de desvio de dinheiro público

Tribunal Judicial da Cidade de Maputo condenou dois réus a penas de 10 e 11 anos de prisão pelo desvio do equivalente a 1,8 milhões de euros da conta única do tesouro público. Defesa pretende recorrer.

A sexta secção do Tribunal Judicial da Cidade de Maputo condenou o arguido Gama Nhampalele a 11 anos de prisão e a arguida Liliana Bule a 10 anos. Ambos são acusados da prática dos crimes de associação para delinquir, furto informático de moedas ou valores, falsificação de documentos e branqueamento de capitais.

Segundo a acusação, os réus desviaram do tesouro público cerca de 155 milhões de meticais, o equivalente a 1,8 milhões de euros, entre 2016 e o início do corrente ano, altura em que a fraude foi descoberta na sequência de uma auditoria.

Aproveitamento de "fragilidades"

O montante era retirado a partir do Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças (CEDSIF), uma instituição ligada ao Ministério da Economia e Finanças à qual Gama Nhampele estava afeto como técnico informático, refere ainda a acusação.

O tribunal afirma ter ficado provado que Gama Nhampalele, fazendo uso das fragilidades do sistema que ajudou a desenvolver, emitia ordens de pagamento fraudulentas para contas bancárias e empresas que foram criadas para servirem "de fachada", destinadas a "drenar" fundos do Estado.

Assistir ao vídeo 03:35

Dívidas ocultas: Impactos para Moçambique das revelações de Jean Boustani em tribunal

A juíza da causa, Ivandra Uamusse, disse nas considerações finais que. "no caso em concreto, trata-se de criminalidade cujas infrações assumem um expressivo e intolerável dano em termos de perturbar o regular funcionamento das instituições da administração pública, do sistema politico e do sistema financeiro."

A juíza indicou que os réus agiram de forma premeditada, impelidos pelo desejo de obtenção de ganho sem esforço laboral. "Este tipo de criminalidade tem vindo a registar uma enorme expansão à escala nacional e constitui hoje um dos desafios com que o sistema da justiça é confrontado, exigindo-se deste ações enérgicas para estancar este mal que cria insegurança na sociedade", declarou.

Indemnizações ao Estado

Para além da condenação a pena de prisão, o réu Gama Nhampalele deverá indemnizar o Estado em cerca de 93 milhões de meticais, o equivalente a cerca de 1,1 milhões de euros, relativos a pelo menos 12 pagamentos indevidos em que ele participou. Já à ré Liliana Bule caberá indemnizar o Estado em 60 milhões de meticais, o equivalente a cerca de 714 mil euros, como resultado do seu envolvimento em diversas transações bancárias fraudulentas.

Durante o julgamento, os réus declararam-se inocentes. O advogado de Gama Nhampalele disse aos jornalistas que vai recorrer da sentença.

"Não temos outra alternativa senão recorrermos", afirmou o advogado Mirco Paulo. "Não temos como nos conformar com a decisão. A decisão é para todos os efeitos viciada, cheia de nulidades, porquanto a convicção do tribunal não chegou a refletir aquilo que é a matéria dos autos. Não existem provas para tal, pelo que a nossa reação, naturalmente, só poderia ser recurso."

Outras três pessoas, acusadas de envolvimento no caso, não foram julgadas por se encontrarem em parte incerta.

Leia mais