″Tribunal foi mais duro″ do que devia para mãe acusada de mutilar filha, diz advogado | NOTÍCIAS | DW | 09.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

"Tribunal foi mais duro" do que devia para mãe acusada de mutilar filha, diz advogado

Advogado da mãe condenada nesta sexta-feira (8.1) a três anos de prisão pela mutilação genital da filha considera que "Tribunal foi mais duro do que devia", afirmou ele, em declarações à porta do Tribunal de Sintra.

Genitalverstümmelung Messer

A mutilação genital feminina (MGF) têm consequências físicas, psicológicas e sexuais graves para mulheres, e pode causar a morte.

Em declarações aos jornalistas, à porta do Tribunal de Sintra, após a leitura do acórdão, o advogado Jorge Gomes da Silva reconheceu ter ficado "surpreendido" com a sentença daquele que foi o primeiro caso de mutilação genital feminina a ser julgado em Portugal. "Vamos pegar numa jovem de 20 anos e mandar para a cadeia. Vale a pena? Sai de lá o quê? Só para mostrar ao mundo, a Portugal, que agora há uma decisão que põe fim a essas práticas? Acho que é injusto", reagiu. 

O coletivo de juízes julgou o caso e condenou Rugui D. nesta sexta-feira (8.1), cidadã guineense com nacionalidade portuguesa e residente em Portugal, a uma pena de três anos de prisão efetiva pelo crime de mutilação genital da sua filha menor, com um ano de idade à altura dos factos, durante uma estadia de três meses na Guiné-Bissau, em 2019.

Portugal | Prozess im Fall von Genitalverstümmelung

Tribunal de Sintra

Crime

Na leitura do acórdão, o juiz presidente do coletivo comunicou que "não há dúvida que as práticas [em julgamento] integram o crime de mutilação genital feminina" e recordou que esta prática é "uma flagrante violação de direitos humanos". 

O juiz realçou ainda a "elevada ilicitude, é uma mãe que atenta contra a própria filha", a "premeditação" de uma viagem organizada à Guiné e a falha nos "deveres de cuidado" para com a filha bebé. O tribunal entendeu que, dado que "não mostrou qualquer arrependimento", a arguida levanta a possibilidade de reincidência no futuro. 

Admitindo que a decisão tenha tido o objetivo de "dissuadir" que a prática possa vir a acontecer no futuro, o advogado de defesa destacou os fatores atenuantes da arguida - a idade (tinha 19 anos na altura) e a inexistência de antecedentes criminais - e frisou que "não ficou provado que foi a própria que praticou os factos".

Assim, Jorge Gomes da Silva admite recorrer da decisão, após analisar o acórdão e conversar com a sua constituinte. "Em princípio vamos recorrer, porque entendemos que pelo menos a pena suspensa (...) seria mais justa", adiantou.

Portugal | Prozess im Fall von Genitalverstümmelung

O advogado Jorge Gomes da Silva

"Tribunal não estava preparado para julgar"

Originário da Guiné-Bissau, o advogado entende que o tribunal "não estava preparado para julgar" um caso como este, com um contexto e um enquadramento tão específicos.

A mutilação genital feminina, que consiste na retirada total ou parcial de partes genitais, com consequências físicas, psicológicas e sexuais graves, podendo até causar a morte, ainda é uma prática comum em três dezenas de países, sobretudo africanos, estimando-se que ponha em risco três milhões de meninas e jovens todos os anos e que cerca de 200 milhões de mulheres e meninas tenham já sido submetidas à prática.

A Guiné-Bissau, onde a mutilação genital feminina é punida por lei desde 2011, é o único país de língua portuguesa que figura nas listas internacionais sobre a prática, estimando-se que metade das suas mulheres tenham sido excisadas.

Segundo dados oficiais, 39% das crianças guineenses com menos de 15 anos tinham sido excisadas em 2010 - antes da criminalização -, percentagem que desceu para 30%, em 2014.

Estima-se que em Portugal vivam 6.500 mulheres excisadas, na maioria originárias da Guiné-Bissau. Rugui D. é uma delas, pois foi submetida à prática na infância, ainda na Guiné-Bissau.

Este foi o primeiro julgamento por um crime de mutilação genital feminina em Portugal, onde a prática é considerada crime autónomo desde 2015.

Assistir ao vídeo 02:01

Quénia: Missangas tradicionais para combater a MGF