Tribunal egípcio confirma 15 anos de prisão para figura da revolução contra Mubarak | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 04.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Tribunal egípcio confirma 15 anos de prisão para figura da revolução contra Mubarak

Ahmed Douma é um dos mais conhecidos militantes da revolução egípcia de 2011, que levou à queda do regime de Hosni Mubarak durante a chamada Primavera Árabe.

O Tribunal de Apelo do Egito confirmou este sábado (04.07) a pena de prisão de 15 anos a que fora sentenciado um dos protagonistas da revolução de 2011, indicou fonte judicial local à agência noticiosa France Presse (AFP).

Após ter sido condenado a prisão perpétua em 2015, Ahmed Douma foi novamente julgado em janeiro de 2019, altura em que foi sentenciado a 15 anos de prisão e a uma indemnização de cerca de 330 mil euros.

Segundo a fonte judicial, O tribunal precisou que a pena a que sentenciou Ahmed Douma é "definitiva” e que "não pode ser objeto de novo apelo”.

Detido desde 2013, Ahmed Douma, 34 anos, foi condenado por "reunião, posse de armas brancas e de [cocktail] Molotov e de agressão a membros das Força Armadas e da Polícia”.

Hosni Mubarak Nachruf (Reuters/A. Abdallah Dalsh)

Hosni Mubarak morreu aos 91 anos, em fevereiro de 2020. Foi Presidente do Egipto, que governou com mão-de-ferro durante 30 anos.

Ahmed Douma é um dos mais conhecidos militantes da revolução egípcia de 2011, que levou à queda do regime de Hosni Mubarak durante a chamada Primavera Árabe.

Após a destituição, pelo exército, do Presidente islamita Mohamed Morsi, em 2013, o regime do atual chefe de Estado egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, tem sido acusado de exercer uma forte repressão, sobretudo contra os militantes laicos e pró-democracia, como Ahmed Douma.

Leia mais