Tribunal de Luanda condena bispo brasileiro mas não decide sobre gestão da IURD | NOTÍCIAS | DW | 01.04.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Tribunal de Luanda condena bispo brasileiro mas não decide sobre gestão da IURD

O bispo brasileiro Honorilton da Costa, ex-líder espiritual da Igreja Universal do Reino de Deus, foi condenado a três anos de prisão por crime de violência doméstica. Sentença não definiu quem vai gerir a igreja.

O tribunal de Comarca de Luanda condenou esta quinta-feira (31.03), o ex-líder espiritual da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Angola, o bispo brasileiro Honorilton Gonçalves da Costa, a três anos de prisão com pena suspensa por crime de violência doméstica do tipo psicológico, por coagir pastores angolanos a submeterem-se a uma vasectomia. 

O antigo presbítero-geral da IURD e a direção da Universal devem ainda indemnizar com 45 milhões de kwanzas (90.690 Euros), os dois ex-pastores da congregação. A defesa dos queixosos já apresentou recurso.

O bispo brasileiro foi absolvido dos crimes de associação criminosa, branqueamento de capitais, burla por defraudação e expatriação ilícita de capitais que pesavam a todos os réus. 

O ex-diretor da TV Record Angola, Francisco Teixeira, o atual a presidente do conselho administrativo da IURD em Angola, o bispo angolano António Ferraz, e o pastor angolano Belo Kifua foram absolvidos de todos os crimes de todos os crimes. O tribunal ordenou o desbloqueio das contas e a restituição dos bens apreendidos.

Direção aberta ao diálogo com dissidentes

O juiz da causa, Tutri António, esclareceu que o tribunal julgou apenas matérias que constituem crimes no processo. Sobre a gestão da igreja, as partes deverão litigar noutra instância judicial.

Angola Luanda | Bischof Alberto Miapia Segunda

Alberto Segunda

"É uma questão que deve ser resolvida no outro tribunal. As pessoas que estão aqui a disputar pela igreja têm advogados e os advogados sabem onde devem se dirigir para poder determinar com quem vai ficar a gestão da igreja, quem vai receber de volta os bens que o tribunal mandou restituir. Portanto, esta parte já não me compete, já não compete aos meus colegas, e por esta razão, não nos pronunciamos", frisou.

A decisão do tribunal foi correspondida pela atual liderança da Igreja do Reino de Deus. O bispo e líder espiritual, o angolano Alberto Segunda, disse que a justiça foi feita e garante que haverá mais disciplina interna para se evitar novos processos contra a IURD do brasileiro Edir Macedo.

"A igreja vai continuar com o seu curso normal da pregação do evangelho, agora com mais disciplina, porque algumas coisas de que é acusada não fazem parte da liturgia e vamos vigiar mais, acompanhar mais os pastores para não voltarmos ao tribunal", disse o bispo angolano da IURD.

Por seu turno, o presidente do conselho de administração da IURD, António Ferraz, absolvido dos crimes, afirma que a direção da igreja está disponível a dialogar com os bispos e pastores dissidentes. "Têm que reconhecer e procurar a autoridade da igreja para falar, porque foram eles que saíram da igreja, nós continuamos, se eles vierem à igreja, está aberta para todos, mas tudo tem uma regra e se eles, humildemente, procurarem a direção da igreja, nós vamos recebê-los com muito prazer”, disse o líder religioso angolano à imprensa.

Fiéis aplaudem decisão

Angola | Präsident des Verwaltungsrats der IURD, António Miguel Ferraz

António Ferraz

A IURD em Angola está em conflito desde 2019, período em que um grupo de bispos e pastores angolanos anunciou a sua saída da igreja, e acusou a direção brasileira de vários crimes. A acusação resultou no encerramento de vários templos e no processo judicial em que os dissidentes saíram derrotados.

O acórdão do tribunal foi aplaudido efusivamente por milhares de fiéis que apoiam a liderança indicada pelo fundador da IURD, Edir Macedo e acreditam que a direção vai retomar a gestão de todos os templos encerrados pelo Estado angolano.

"Temos a certeza de que a igreja vai ser aberta e será entregue ao bispo Edir Macedo. E o bispo Edir Macedo tem quem colocar na gestão. Agora estamos com o bispo Alberto Segunda. Esse é o nosso bispo. Não é cópia. Cópia são eles", disse Luísa Matias, uma das seguidoras da IURD, à DW.

Os queixosos que perderam a causa não prestaram declarações à imprensa. Mas o advogado de Alfredo Ngola, ex-pastor submetido a uma vasectomia, que deverá ser indemnizado em cerca de 30 milhões de kwanzas (mais de 60 mil euros), refere que o tribunal correspondeu às expectativas.

"O tribunal atendeu ao nosso pedido, julgou e condenou o líder máximo da igreja e solidariamente ele deve fazer o pagamento deste valor. Obviamente que este valor não poderá, em certa medida, reparar todos os danos, mas poderá dar condições ao nosso assistente de voltar à África do Sul, para fazer uma reversão, tratar-se condignamente", realçou.

Leia mais