Tráfico de drogas: Diretor de Fronteiras guineense aguarda decisão judicial | Guiné-Bissau | DW | 15.09.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Tráfico de drogas: Diretor de Fronteiras guineense aguarda decisão judicial

O chefe dos Serviços de Migração e Fronteiras da Guiné-Bissau foi ouvido hoje (15.09) pelo Ministério Público sobre alegado envolvimento no tráfico de droga. Alassana Djaló espera decisão para saber se continua detido.

O caso em que o diretor-geral dos Serviços de Migração e Fronteiras é acusado de envolvimento remonta ao mês de março deste ano. Na altura, Alassana Djaló, enquanto diretor dos serviços de investigação criminal da Guarda Nacional (GN), teria dado ordens para a retirada da posse da Polícia Judiciária (PJ) de mais de 80 cápsulas de cocaína.

O material havia sido apreendido a um cidadão nacional, no Aeroporto Osvaldo Vieira, em Bissau. O cidadão também foi libertado por ordem da GN, e a PJ acredita que as cápsulas foram adulteradas. Alassana Djaló foi detido na semana passada.

Esta terça-feira (15.09), o oficial do Ministério do Interior foi ouvido na Vara Crime do Ministério Público, por algumas horas, e depois mandado diretamente para outra audição, pelo juiz de instrução criminal (JIC), no Tribunal Regional de Bissau. A justiça deve decidir se o acusado segue ou não detido.

Combate ao tráfico

Entretanto, desde que se instalaram no país, as atuais autoridades guineenses elegeram o combate ao tráfico de drogas como uma das prioridades para a governação. Mas, em declarações à DW África, o analista político Mariano Pina duvida da determinação das autoridades guineenses em combater o tráfico.

"Não sei se é uma determinação do Governo em combater a droga ou não, mas a verdade é que se é uma determinação, começou tardiamente, porque logo que o Presidente (da República) tomou posse, indultou um dos prisioneiros, uma das pessoas que foram apreendidas com droga, julgada e condenada e que estava nos calabouços da Guiné-Bissau, e um estrangeiro, acima de tudo", aponta Pina.

Apesar da detenção do diretor-geral de Migração e Fronteiras, o secretário-executivo do Observatório Guineense da Droga e Toxicodependência, Abílio Có Júnior, afirma que as atuais autoridades não estão em condições de combater o tráfico de drogas no país.

Para Có Júnior, "as autoridades que têm o papel de combater o tráfico, estão, ao que tudo indica, envolvidas no tráfico de drogas". "É o exemplo claro da detenção do diretor da migração e fronteiras", afirma.

Outras medidas

No entanto, o analista político Mariano Pina defende que outras medidas políticas sejam tomadas sobre o caso Alassana Djaló: "Penso que devia ser demitido o ministro do Interior e todos os responsáveis do Ministério do Interior. As autoridades deviam ter tomado medidas logo no início, não agora".

No mesmo dia em que foi detido pela PJ, na sexta-feira, 11 de setembro, Alassana Djaló foi igualmente suspensodas funções, por tempo indeterminado.

O ministro do Interior, Botche Candé, justificou a decisão por necessidade de "imprimir dinâmica” na Direção dos Serviços de Migração e Fronteiras.

Assistir ao vídeo 00:35

"Maior apreensão de sempre" de cocaína na Guiné-Bissau

Leia mais