Tráfico de combustível na fronteira entre os Camarões e Nigéria com participação da polícia | NOTÍCIAS | DW | 07.11.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Tráfico de combustível na fronteira entre os Camarões e Nigéria com participação da polícia

Explosão demográfica, falta de emprego e deficiências nos serviços do Estado tornam a vida da maioria dos 25 milhões de camaroneses especialmente difícil. O contrabando de combustível assegura a subsistência de muitos.

default

Traficantes em ação no porto de Idenau

Nas ruas de Idenau, os soldados armados avisam que não é permitido tirar fotografias ou gravar sons sem uma autorização explícita das autoridades, 

Depois insistem em acompanhar o repórter na sua missão ao porto. Aqui o ar cheira a gasolina. Um traficante de combustível pede ao repórter que se afaste com ele, para que a polícia não ouça o que tem para dizer. E revela: "Sou um homem de negócios. Vim apenas para comprar mercadoria de contrabando. Este combustível vem da Nigéria. As dificuldades aqui obrigam-nos a ganhar a vida de qualquer modo."

Apesar dos controles levados a cabo pelo Governo, muitos assumem o risco e envolvem-se no tráfico do combustível ilegal. Incluindo este pescador que não esconde: "Compramos a gasolina de contrabando porque aqui não há postos para nos abastecermos."

Forças de Segurança envolvidas na corrupção

Ouvir o áudio 02:24
Ao vivo agora
02:24 min

Tráfico de combustível na fronteira entre os Camarões e Nigéria com participação da polícia

Passados uns momentos começam a chegar ao porto barcos com contentores de 200 litros repletos de combustível ilícito, debaixo dos olhos da polícia e da guarda aduaneira, que não interferem. Os traficantes dizem que todos são subornados, por isso fazem de conta que não vêem nada.

Quem segue pela estrada que liga Limber a Buea passa por um sem número de pontos de venda improvisados de combustível em garrafas de plástico transparentes.

Mbella Yondo diz que o Governo tem dificuldades em combater o tráfico, porque as forças de segurança estão envolvidas no contrabando lucrativo e que "os agentes de segurança confiscam o combustível aos traficantes. Depois vão vendê-lo a outros que os subornaram".

Economistas estimam que os Camarões perdem o equivalente a seis mil euros por dia por causa do contrabando de combustível.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados