Togo: Oposição denuncia repressão ″selvagem″ de protestos | NOTÍCIAS | DW | 09.12.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Togo: Oposição denuncia repressão "selvagem" de protestos

Pelo menos duas pessoas morreram na sequência das manifestações deste fim-de-semana contra as eleições legislativas de 20 de dezembro.

As forças de segurança dispararam gás lacrimogéneo e registaram-se confrontos com os manifestantes reunidos no sábado (08.12) na capital do Togo, Lomé, e várias outras cidades do país, apesar da proibição das manifestações decretada pelas autoridades.

Em comunicado, o Governo dá conta de duas vítimas mortais. A principal coligação da oposição, que reúne 14 partidos, fala numa possível terceira morte. "O balanço provisório desta repressão violenta será de três mortos e vários feridos graves", diz o líder da coligação, Jean-Pierre Fabre.

Quatro membros das forças de segurança ficaram feridos e 28 manifestantes foram interpelados pelas autoridades, acrescenta o Governo.

Proibida mobilização contra irregularidades

A coligação, que vai boicotar as próximas legislativas, denuncia "irregularidades" na preparação do escrutínio e apelou à realização de manifestações durante 10 dias a partir deste sábado para exigir o fim do processo eleitoral.

Os protestos foram proibidos pelo Governo, que justificou com "o elevado risco de problemas graves na ordem pública”, no arranque da campanha eleitoral, na última terça-feira.

Jean-Pierre Fabre "condenou de forma veemente a loucura assassina do regime, na qual participaram as mais altas patentes do Exército" e "rejeitou formalmente as explicações escabrosas dadas pelo Governo sobre a selvajaria da repressão às manifestações".

Togo Demonstrationen

"Faure tem de sair" dizem os manifestantes togoleses.

Poder contestado

A coligação exige reformas constitucionais para impor limites aos mandatos presidenciais e, em termos legislativos, a recondução da Comissão Eleitoral Nacional Independente, bem como a recuperação de todas as atividades já levadas a cabo por esta instituição.

O país atravessa uma grave crise política há mais de um ano, com protestos em massa para exigir a demissão do Presidente Faure Gnassingbé, que em 2005 substituiu no cargo o seu pai, que liderou o Togo com mão de ferro durante 38 anos.

As igrejas evangélicas, presbiterianas e metodistas do Togo apelaram esta semana a um "adiamento por vários meses" das eleições, denunciando "as condições não consensuais da organização". Os "quadros muçulmanos" do Togo lançaram igualmente o apelo a um adiamento.

Leia mais