Tiros contra manifestantes geram onda de indignação na Nigéria | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 21.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Tiros contra manifestantes geram onda de indignação na Nigéria

As hashtags #EndSARS e #LekkiMassacre proliferam pelas contas no Twitter após tiros atingirem manifestantes num protesto contra a polícia em Lagos. Amnistia Internacional trabalha para identificar o número de mortos.

Um tiroteio durante um protesto contra a corrupção e a brutalidade policial, esta terça-feira (20.10), na Nigéria causou um número incerto de vítimas em Lagos, na Nigéria. Imagens chocantes de manifestantes atingidos por disparos circulam pelas redes sociais no país. A hashtag #EndSARS e #LekkiMassacre proliferam-se pelas contas nigerianas no Twitter.

A Amnistia Internacional (AI) atribuiu os tiros às forças de segurança e divulgou que teria recebido provas "credíveis e perturbadoras” de que o uso excessivo de força ocasionou mortes em Lekki Toll Gate - uma área da maior cidade de África. A AI estaria "a trabalhar na verificação" do número de mortos.

Testemunhas disseram que homens armados abriram fogo sobre a multidão para dispersá-la após a imposição do recolher obrigatório com o objetivo de acabar com protestos contra abusos cometidos pela Brigada Especial Anti-Roubo (SARS) da polícia, que já duram duas semanas.

Tiros esporádicos ainda podiam ser ouvidos na maior cidade da Nigéria esta quarta-feira (21.10) de manhã, disse um jornalista da agência de notícias AFP. O governador do Estado de Lagos, Babajide Sanwo-Olu, disse que 25 pessoas foram feridas, tendo duas delas recebido cuidados intensivos.

"Esta é a noite mais dura das nossas vidas, uma vez que forças fora do nosso controlo directo se moveram para fazer notas sombrias na nossa história", disse Sanwo-Olu no Twitter, divulgando fotografias dele a visitar hospitais nas primeiras horas de quarta-feira. Vou trabalhar com o Governo Federal para chegar à raiz deste infeliz incidente", acrescentou.

O que dizem as forças de segurança

O exército nigeriano não emitiu uma declaração direta, mas rotulou os relatos de soldados a disparar sobre manifestantes como "notícias falsas" no Twitter.

Diante da intensificação dos protestos contra a SARS, Sanwo-Olu tinha anunciado recolher obrigatório indefinido desde terça-feira à tarde na cidade de 8 milhões de habitantes, depois de ter afirmado que as manifestações tinham sido "capturadas por criminosos”.

O chefe da polícia ordenou também que unidades antimotim fossem destacadas para todo o país. Fotografias e vídeos sobre o episódio foram partilhados nas redes sociais.

"São 5 da manhã, e ainda estamos a receber chamadas das pessoas em Lekki. Durante toda a noite, alguns esconderam-se ali perto, outros foram feridos e entraram em pânico", disse no Twitter o podcaster nigeriano Feyikemi Abudu, que tem estado ativamente envolvido nos protestos.

Nigeria Abuja | End Sars Proteste | Demonstranten

Nigerianos foram às ruas há duas semanas em protestos contra a brutalidade policial

Repercussão internacional

O candidato presidencial americano Joe Biden exortou o presidente e os militares "a cessarem a violenta repressão contra os manifestantes na Nigéria, que já resultou em várias mortes".

"Os Estados Unidos devem manter-se ao lado dos nigerianos que se manifestam pacificamente a favor da reforma da polícia e procuram pôr fim à corrupção na sua democracia", disse Biden numa declaração.

"Encorajo o governo a iniciar um diálogo de boa-fé com a sociedade civil para abordar estas queixas de longa data e trabalhar em conjunto para uma Nigéria mais justa e inclusiva".

Várias celebridades apoiaram os manifestantes no apelo para a demissão do Presidente Muhammadu Buhari. Até terça-feira, ao menos 18 pessoas tinham morrido nas manifestações. Os protestos têm sido marcados pela indignação contra crimes policiais e por amplas exigências da juventude por mudanças radicais na nação mais populosa de África.

Assistir ao vídeo 02:00

Nigéria desmantela unidade policial, mas protestos continuam

Leia mais