Teodoro Obiang abre cimeira com empresários lusófonos | Cabo Verde | DW | 04.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cabo Verde

Teodoro Obiang abre cimeira com empresários lusófonos

Encontro de três dias acontece na Guiné Equatorial com 250 empresários dos PALOP e de Portugal. É a primeira cimeira de negócios promovida pela Confederação Empresarial da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

O Presidente Teodoro Obiang Nguema Mbasogo dá início oficialmente esta quarta-feira (05.05) à cimeira de três dias com 250 empresários de Portugal, Moçambique, Angola e Cabo Verde em Malabo, na Guiné Equatorial.

É a primeira cimeira de negócios promovida pela Confederação Empresarial da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CE-CPLP). A anunciada participação do Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, não deverá concretizar-se. 

São Tomé e Príncipe estará representado ao mais alto nível com a presença do Presidente da República, Evaristo Carvalho, que com o anfitrião, Teodoro Obiang, serão os únicos chefes de Estado a participar presencialmente na cimeira.

Angola, enviou uma delegação liderada pelo ministro da Indústria e do Comércio, Victor Fernandes, enquanto a representação de Portugal deverá ser assegurada pelo representante em Malabo, Frederico Silva.

"Consolidar integração"

O encontro de empresários tem como objetivos "consolidar a integração" da Guiné Equatorial na CPLP, de que é membro desde 2014, e "demonstrar o potencial, enquanto país de recursos e oportunidades, colocando-o na rota do investimento estrangeiro", segundo a organização.  

Gás, turismo, agricultura, pescas, valorização de ativos, banca, formação são alguns dos setores das empresas portuguesas que participam na cimeira de negócios, a maioria das quais visita o país pela primeira vez à procura de oportunidades de investimento.

Devido à pandemia de covid-19, a Guiné Equatorial tem em vigor um conjunto de medidas restritivas, incluindo o uso obrigatório de máscara, a limitação a um voo internacional por semana, a apresentação de testes PCR negativos ou prova de vacinação para entrada no país, bem como a proibição de circulação entre regiões ou a limitação da participação em atividades de culto ou casamentos. 

A Guiné Equatorial é o terceiro país produtor de petróleo da África subsaariana, a seguir à Nigéria e a Angola, e possui importantes reservas de gás natural, numa economia fortemente dependente do setor dos hidrocarbonetos, que em 2016 representava cerca de 60% do Produto Interno Bruto (PIB).  A economia do país está em terreno negativo há vários anos, devendo retomar o crescimento em 2021.

Assistir ao vídeo 07:17

Mobilidade é "crucial", defende presidente da CPLP

Leia mais