Tensão política e protestos continuam em Mogadíscio | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 27.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Tensão política e protestos continuam em Mogadíscio

A capital da Somália está sob elevada tensão, à medida que combatentes armados pró-oposição avançam e tomam posições em Mogadíscio, numa altura em que aumentam as críticas ao prolongamento do mandato do Presidente.

Na segunda-feira (26.04), combatentes da oposição somali fortemente armados continuaram a ocupar posições em partes da capital, um dia após os confrontos com as tropas governamentais terem eclodido, na sequência da prorrogação do mandato do Presidente.

O país está no fio da navalha depois de Mohamed Abdullahi Mohamed,  conhecido como Farmajo, ter provocado uma crise política, ao prolongar o seu mandato na semana passada. Este já é o pior episódio de violência política do país dos últimos anos.

"Farmajo é um ditador, se as pessoas querem um ditador, deveriam ter deixado que o ex-Presidente Mohamed Siad Barre governasse. Presidentes têm vindo e ido com eleições, mas o Presidente Farmajo quer continuar a usar o poder e a força. Somos contra isso e continuaremos a lutar até ele partir", promete o comandante militar Abdulkadkir Mohamed Warsame.

Em Mogadíscio, o repórter da DW Mohamed Odowa relatou esta segunda-feira os confrontos pareciam iminentes: "Os combatentes estão muito próximos uns dos outros, especialmente nas zonas norte da cidade. O Governo quer usar os anciãos dos clãs para dialogar com os grupos da oposição de modo a evitar mais confrontos".

Confrontos já causaram mortes

Testemunhas disseram que homens armados e veículos com metralhadoras estiveram estacionados nos bastiões da oposição, enquanto as principais estradas em Mogadíscio foram bloqueadas.

"Agora assumimos o controlo do distrito de Howlwadag e queremos assumir a presidência, não o vamos deixar sozinho, não vamos parar os nossos combates, só podemos parar quando morrermos", disse o comandante Abdulkadkir Mohamed Warsame

Já os residentes de Mogadíscio instaram ambos os lados a parar de lutar e queixam-se da escassez de eletricidade e água.

Somalia Gewalt zwischen Regierung und Opposition

Tem havido confrontos entre grupos armados pró-oposição e forças do Governo

No domingo (25.04), grupos de homens armados que se opõem ao Presidente trocaram tiros com as forças de segurança. A polícia local afirmou que pelo menos cinco pessoas foram mortas nos confrontos.

Na noite desta segunda-feira (26.04), manifestantes saíram às ruas de Mogadíscio para se manifestarem contra o prolongamento do mandato de quatro anos do Presidente Mohamed Abdullahi Mohamed.

"Não queremos a prorrogação do mandato. O país deve ir a eleições. O Presidente deve demitir-se e nós não o queremos mais no poder.", disse o manifestante Hussein Mohamud.

Pressão crescente dentro e fora do país

As forças militares que apoiam o antigo Presidente Hassan Sheikh Mohamud juraram retirar à força Farmajo, se ele não regressar às negociações sobre aseleições adiadas ou se não se demitir.

Os partidos da oposição acusam o chefe de Estado de ter agido inconstitucionalmente para se manter no poder ao assinar a lei que prolonga seu mandato por dois anos. Mohamed Abdullahi Mohamed tem enfrentado uma pressão crescente no seu país e no estrangeiro.

O Presidente e os líderes dos cinco estados federais semiautónomos da Somália tinham acordado, em setembro, eleições parlamentares e presidenciais indiretas em finais de 2020 e princípios de 2021.

Mas estas eleições não se realizaram após conversações sobre a forma de conduzir o voto terem caído por terra. Tanto os EUA como a União Europeia ameaçaram sancionar a Somália pelas eleições adiadas.

O Conselho de Segurança da ONU adoptou uma declaração apelando aos partidos na Somália "a rejeitarem a violência e a retomarem o diálogo com urgência e sem condições prévias".

Assistir ao vídeo 02:11

Esperança por uma Somália melhor