″Tem de haver paz e estabilidade″ para CPLP apoiar Guiné-Bissau | NOTÍCIAS | DW | 14.09.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

"Tem de haver paz e estabilidade" para CPLP apoiar Guiné-Bissau

De visita à Guiné-Bissau, responsáveis da CPLP prometeram definir programas para "beneficiar o país" após presidenciais. Chefe da diplomacia guineense agradece papel da comunidade no "desfecho da crise política".

Foto de arquivo (março de 2019): Observadores da CPLP nas eleições na Guiné-Bissau.

Foto de arquivo (março de 2019): Observadores da CPLP nas eleições na Guiné-Bissau.

O ministro dos Negócios Estrangeiros e das Comunidades cabo-verdiano e o secretário-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) terminaram este sábado (14.09) uma visita à Guiné-Bissau. Após três dias de contactos com as autoridades guineenses, ficam registadas as promessas de apoio e assinaturas de acordos.

A convite da sua homóloga da Guiné-Bissau, Luís Filipe Tavares, chefe da diplomacia de Cabo Verde, que detém a presidência da CPLP, está desde quinta-feira na capital guineense, acompanhado do Secretário-Executivo da organização, Francisco Ribeiro Telles.

Trata-se da primeira deslocação de um governante cabo-verdiano à Guiné-Bissau, depois das eleições legislativas de março, que marca o início da "retoma à normalidade política", deixando para trás uma longa crise, segundo as autoridades guineenses.

Em conferência de imprensa com a ministra guineense dos Negócios Estrangeiros, o governante cabo-verdiano garantiu, em nome da CPLP, o apoio da organização a vários projetos na Guiné-Bissau, mas há uma condição, diz Luís Filipe Tavares: "Tem de haver paz e estabilidade, em primeiro lugar".

"Nesta fase, estamos a apoiar o processo político, que vai culminar com a realização das próximas eleições do dia 24 de novembro, eleições presidenciais fundamentais. Estamos a fechar um ciclo político importante na Guiné-Bissau e depois vamos trabalhar com as autoridades num clima sereno de paz e de tranquilidade para definirmos programas e projetos que possam beneficiar o país", disse o Ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde, em nome da presidência da CPLP.

Por sua vez, a Ministra dos Negócios Estrangeiros e das Comunidades da Guiné-Bissau, Suzy Barbosa, enalteceu o papel da CPLP na estabilização do país e agradeceu ao secretário-executivo pelo papel "determinante" da comunidade "para o desfecho da crise política que a Guiné-Bissau estava a viver" e "para a formação inclusiva deste Governo".

Nova etapa nas relações bilaterais

A visita de Luís Filipe Tavares vai ter também resultados no âmbito bilateral, com a assinatura de um acordo que visa a integração completa dos guineenses em Cabo Verde e de cabo-verdianos na Guiné-Bissau.

"Esta visita é o início de uma nova etapa nas relações entre os dois países. Com esta visita decidimos que vai ser assinado um acordo que prevê um tratamento especial específico aos residentes guineenses em Cabo Verde. Esse tratamento será recíproco", afirmou a ministra dos Negócios Estrangeiro guineense, Susy Barbosa, referindo-se ao seu homólogo cabo-verdiano.

"Com a comunidade guineense em Cabo Verde, sabemos que há problemas com a documentação e já chegámos a um acordo, em como devemos assinar um acordo, para podermos resolver, em definitivo, este problema que existe", adiantou, por sua vez, Luís Filipe Tavares.

Assistir ao vídeo 07:17

Mobilidade é "crucial", defente presidente da CPLP

"Fazemo-lo com muita responsabilidade, na certeza de que, entre nós, dois povos irmãos, devemos ter um tratamento especial, nas questões que dizem respeito as migrações entre os nossos países, nós temos que trabalhar para uma completa integração dos guineenses em Cabo Verde e de cabo-verdianos na Guiné-Bissau", frisou.

Sede da CPLP em Bissau?

O ministro dos Negócios Estrangeiro de Cabo Verde salientou também que os dois países deverão assinar um acordo para relançar a cooperação no setor da defesa.

Para as eleições presidenciais de 24 de novembro na Guiné-Bissau, além do apoio financeiro, a CPLP já fez saber que vai participar com observadores eleitorais. mas falta ainda a definição do número dos elementos que farão parte da equipa.

A essa garantia junta-se também a possibilidade de a organização acompanhar de perto os assuntos da Guiné-Bissau, com a fixação de uma representação permanente da CPLP no país, uma possibilidade que está em cima da mesa, segundo Luís Filipe Tavares.

"Queremos restabelecer a comissão permanente da CPLP na Guiné-Bissau. Tenho o aval do primeiro-ministro [Aristides Gomes] para o estabelecimento de uma sede da CPLP em Bissau", anunciou Susy Barbosa.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados